Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Assalto ao Capitólio. Congresso dos EUA declara Steve Bannon em desacato

A Câmara dos Representantes norte-americana declarou quinta-feira Steve Bannon, aliado e assessor do ex-presidente Donald Trump, em desacato ao Congresso por desafiar uma intimação da comissão que investiga o violento assalto ao Capitólio em janeiro.

Assalto ao Capitólio. Congresso dos EUA declara Steve Bannon em desacato

Numa rara demonstração de bipartidarismo no plenário da Câmara, o presidente democrata da comissão, o congressista Bennie Thompson, liderou o debate juntamente com a republicana Liz Cheney, uma de dois republicanos no painel.

Ainda assim, a votação no plenário foi de 229 votos a favor e 202 contra, com a maioria dos legisladores republicanos a votar "não", apesar das consequências potenciais para o Congresso se as testemunhas puderem ignorar as suas requisições.

A votação da Câmara remete o assunto para o gabinete do procurador dos EUA em Washington, onde agora caberá aos procuradores decidir se o caso será apresentado a um grande júri para possíveis acusações criminais.

A comissão exigiu documentos e testemunhos de Bannon, que esteve em contacto com o ex-Presidente Donald Trump antes do ataque ao Capitólio, em 06 de janeiro.

Além de não comparecer, Bannon também não disponibilizou documentos à comissão, no prazo estipulado.

O depoimento de Steve Bannon é apenas uma parte da grande investigação do Congresso norte-americano, com 19 intimações emitidas até ao momento e milhares de páginas de documentos recebidas.

Outras testemunhas estão a colaborar, incluindo algumas que organizaram ou fizeram parte do comício de Donald Trump no parque Elipse da Casa Branca, durante o comício "Stop The Steal" ("Parem o Roubo", em tradução simples).

A comissão intimou 11 organizadores do comício e deu-lhes um prazo, na quarta-feira, para entregarem documentos e registos. Também foram convidados para comparecerem em interrogatórios programados.

De acordo com a defesa de Bannon, a decisão de não colaborar surgiu depois de o antigo Presidente norte-americano pedir a alguns ex-assessores para invocarem o privilégio executivo para bloquear os pedidos de depoimentos e documentos.

"Dessa forma, até que essas questões sejam resolvidas, não podemos responder aos seus pedidos de testemunhos e documentos", disse o advogado de Bannon, Robert Costello, numa carta enviada à comissão de investigação, formada durante o verão.

Mas, contudo, Robert Castelo adiantou que Steve Bannon, que teve contacto com Donald Trump na semana do ataque ao Capitólio, está preparado para "cumprir as instruções dos tribunais", quando decidirem o caso.

Leia Também: Acusações sobre Bannon por ataque ao Capitólio votadas terça-feira

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório