Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Mark Rutte defende que líderes europeus devem ser "duros com Polónia"

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, defendeu hoje que os líderes da União Europeia (UE), reunidos em Conselho Europeu, devem ser "duros" relativamente à Polónia, sublinhando que "não são negociáveis" passos para repor a independência do poder judicial.

Mark Rutte defende que líderes europeus devem ser "duros com Polónia"
Notícias ao Minuto

14:04 - 21/10/21 por Lusa

Mundo UE/Cimeira

"Penso que temos de ser duros, mas a questão é como se chega lá. E o meu argumento será que a independência do poder judicial é a questão-chave que temos de discutir, que temos de resolver e relativamente à qual a Polónia tem de tomar as medidas necessárias, que não são negociáveis", declarou Mark Rutte.

Falando à chegada à cimeira europeia, que se realiza hoje e sexta-feira em Bruxelas e marcada pelas tensões com Varsóvia, o chefe de Governo holandês notou estarem em causa "os alicerces das democracias nesta parte do mundo [Europa]".

"E, portanto, aqui não podemos negociar", frisou Mark Rutte.

Já questionado sobre uma eventual ativação do mecanismo de condicionalidade, que prevê o corte no acesso a fundos europeus (como a 'bazuca' da recuperação) aos países que não respeitam o Estado de direito, o responsável disse ser "muito difícil ver como é que um grande e novo fundo de dinheiro [...] poderia ser disponibilizado à Polónia quando isto não está resolvido".

"E ao mesmo tempo, penso que nós, Conselho Europeu também temos um papel a desempenhar, pelo que não se trata apenas da Comissão. Podemos continuar a trabalhar no âmbito do Artigo 7.º [do tratado da UE], que é, evidentemente, a nossa forma de lidar com esta questão e, portanto, há trabalho para nós nas próximas semanas e meses", indicou.

Ainda assim, Mark Rutte admitiu ter "esperança de que, entretanto, a Polónia tome as medidas necessárias para salvaguardar a independência do poder judicial polaco".

Os líderes da UE reúnem-se a partir de hoje em Bruxelas numa cimeira com uma agenda preenchida, dominada pelos preços da Energia, mas que será também marcada pela situação do Estado de Direito na Polónia.

Depois de o Conselho Europeu de junho passado também já ter sido ensombrado por um tema estranho à agenda - a lei húngara aprovada na altura a proibir direitos das pessoas LGBTQI -, que levou a um aceso e longo debate entre os chefes de Estado e de Governo da UE, desta vez é a situação do Estado de direito na Polónia a ameaçar perturbar uma cimeira que tem uma agenda oficial já muito carregada, consagrada à energia, covid-19, migrações, comércio e relações externas.

O Estado de Direito, à luz do recente acórdão do Tribunal Constitucional polaco que determina haver normas nacionais que se sobrepõem à legislação europeia, no que é entendido em Bruxelas como um desafio sem precedentes à primazia do Direito Comunitário, não faz assim parte da agenda oficial, mas será "abordado" informalmente (ou seja, sem conclusões formais) já hoje, na primeira sessão de trabalho, por insistência de "alguns Estados-membros", segundo fontes do Conselho.

As mesmas fontes sublinharam que o lançamento de ações legais contra a Polónia - que é reclamado por muitos, com o Parlamento Europeu à cabeça, mas também alguns Estados-membros -, não é uma competência dos chefes de Estado e de Governo, mas sim da Comissão Europeia, que, de resto, está atualmente a estudar as diferentes possibilidades de ação.

Todavia, o tema revelou-se mesmo incontornável neste encontro de líderes, ainda que abordado de forma informal, e o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki, que já se dirigiu na terça-feira ao Parlamento Europeu, em Estrasburgo, deverá ser o primeiro a tomar a palavra, numa discussão que promete ser acesa e que, segundo fontes diplomáticas, pode tornar esta reunião do Conselho Europeu "uma das mais difíceis" dos últimos tempos, também porque a questão energética não é pacífica.

Leia Também: Polónia "tem razão" e é vítima de "caça às bruxas", diz Viktor Orbán

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório