Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 7º MÁX 14º

Edição

Base militar com forças dos EUA na Síria alvo de ataque coordenado

Uma base militar no sul da Síria que alberga forças norte-americanas foi hoje alvo de um ataque coordenado, sem registo de vítimas entre militares internacionais ali destacados, segundo as autoridades norte-americanas.

Base militar com forças dos EUA na Síria alvo de ataque coordenado
Notícias ao Minuto

23:52 - 20/10/21 por Lusa

Mundo Síria

O ataque à guarnição de al-Tanf terá envolvido pelo menos um ataque de 'drone' e possivelmente fogo terrestre, não estando ainda determinado quem foram os executores, de acordo com fonte do Governo norte-americano citada pela AP sob anonimato.

Tropas dos Estados Unidos e da coaligação internacional estão baseadas em al-Tanf para treinar as forças locais da oposição síria no combate aos militantes do Estado Islâmico.

A base está localizada numa estrada que serve como ligação vital para as forças apoiadas pelo Irão, entre Teerão e o sul do Líbano e Israel.

Pelo menos 14 pessoas morreram hoje num ataque a um autocarro militar em Damasco, seguido de bombardeamentos governamentais nas zonas rebeldes que fizeram 13 mortos, o mais mortífero surto de violência na Síria desde há meses.

Duas bombas colocadas num autocarro militar explodiram de manhã ao passar perto de uma ponte no centro de Damasco, noticiou a agência oficial SANA, matando 14 pessoas e ferindo pelo menos outras três.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que tem uma extensa rede de fontes na Síria, todas as vítimas mortais eram militares.

O ataque, o mais mortal na capital síria há quatro anos, ainda não foi reivindicado, mas, uma hora depois, as forças governamentais bombardearam a província de Idleb, o último grande bastião 'jihadista' e rebelde no noroeste.

Em 2011, a repressão dos protestos pró-democracia na Síria desencadeou uma guerra que tem vindo a diminuir de intensidade nos últimos anos.

Na província rebelde de Idleb, os bombardeamentos do regime mataram 13 pessoas e feriram outras 26, segundo o OSDH.

A violência coloca em causa a retórica das autoridades sírias sobre o fim da guerra, uma vez que o regime de Bashar al-Assad tenta há meses tirar o país do isolamento internacional para permitir a reconstrução e o regresso dos investimentos.

Após sofrer grandes contratempos no início da guerra, o regime sírio recuperou uma grande parte do território desde 2015, apoiado pela Rússia, cuja intervenção é amplamente vista como um importante ponto de viragem no conflito.

Apoiado também por milícias ligadas ao Irão, o regime controla agora quase todas as grandes cidades.

Leia Também: Síria. 27 mortos em atentado em Damasco e bombardeamentos em zona rebelde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório