Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Turquia convoca 10 embaixadores após pedido de libertação de Osman Kavala

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Turquia convocou hoje os embaixadores dos Estados Unidos e de nove outros países para protestar formalmente contra a posição que tomaram no sentido da libertação do ativista de direitos humanos Osman Kavala.

Turquia convoca 10 embaixadores após pedido de libertação de Osman Kavala
Notícias ao Minuto

10:16 - 19/10/21 por Lusa

Mundo Turquia

Os vários países tomaram posição com base na decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, que exige a libertação de Kavala, provocando o protesto de Ancara, que considera a decisão uma "intromissão" no sistema judicial turco.

Osman Kavala, 64 anos, filantropo e ativista de causas relacionadas com direitos humanos está preso na Turquia há quatro anos acusado de envolvimento nos protestos que começaram no Parque Gezi, Istambul, em 2013.

Kavala é também acusado de envolvimento na intentona militar de 2016.

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos pediu a libertação de Kavala em 2019, mas as autoridades turcas ignoraram a determinação, mantendo preso o defensor de direitos humanos sem julgamento.

Na segunda-feira, as embaixadas dos Estados Unidos, Canadá, França, Finlândia, Dinamarca, Alemanha, Holanda, Nova Zelândia Noruega e Suécia tomaram uma posição conjunta em que afirmam que os atrasos no julgamento de Kavala na Turquia "ensombram o respeito pela democracia, o Estado de Direito e os princípios da transparência".

"Tomando em conta as determinações do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos sobre o assunto, apelamos à Turquia para o libertar (Kavala) imediatamente", diz o comunicado conjunto, que foi divulgado através da conta oficial da embaixada dos Estados Unidos em Ancara na rede social Twitter. 

Oficialmente, a Turquia acusa as várias embaixadas que subscrevem o documento de não respeitarem a "independência dos tribunais turcos".

"Alguns embaixadores, que têm como obrigação mostrarem lealdade para com a independência dos países em que servem, excederam os limites e pedem que (políticos) interfiram no sistema judiciário", disse o vice-presidente da Turquia, Fuat Oktay.

No mês passado, 47 membros do Conselho da Europa, organismo de que a Turquia faz parte, anunciaram que vão começar a tomar posições contra Ancara se Kavala não for libertado antes da próxima reunião ministerial marcada para novembro.

As medidas podem resultar em punições, incluindo a possível suspensão da Turquia no quadro do Conselho da Europa.

Kavala, que como filantropo apoia projetos culturais e artísticos junto de minorias, é acusado pelo presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, de ser o "braço" do milionário norte-americano George Soros, considerado pelo chefe de Estado como o responsável por atos de insurreição em muitos países, a nível global. 

Kavala, que rejeita todas as acusações, enfrenta uma pena de prisão perpétua caso venha a ser condenado na Turquia. 

Leia Também: Sismo de magnitude 6,0 atinge a costa da Turquia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório