Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2021
Tempo
24º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Putin diz ser "muito importante" estabilizar o mercado de gás na Europa

O Presidente russo, Vladimir Putin, considerou hoje "muito importante" estabilizar o mercado de gás, que atravessa uma crise sem precedentes, principalmente na Europa, admitindo que a Rússia pode considerar aumentar o volume de vendas ao mercado europeu.

Putin diz ser "muito importante" estabilizar o mercado de gás na Europa
Notícias ao Minuto

13:28 - 13/10/21 por Lusa

Mundo Rússia

Falando na abertura de um fórum de energia em Moscovo, Putin indicou que pretende discutir com a Europa "um mecanismo de longo prazo para estabilizar o mercado de energia, que é muito importante na difícil situação atual".

Para o Presidente russo, os Estados europeus, aos quais a Rússia abastece um terço das suas necessidades de gás, cometeram o "erro" de "descansar sob a mão invisível do mercado", ao contar com compras pontuais em vez de aumentar o número de contratos a longo termo com Moscovo.

Putin insistiu, mais uma vez, no facto de a Rússia ser um parceiro "confiável", que respeita todas as suas "obrigações contratuais" e repetiu que a alta de preços não é culpa de Moscovo, argumentando que está disposto a aumentar a distribuição de gás para a Europa, desde que através de contratos de longo prazo.

"Se houver novos pedidos, só poderão ter resposta através de novas condições contratuais", disse hoje o ministro da Energia russo, Nikolai Choulguinov.

Após semanas de escalada de preços, Putin já havia sugerido que é possível "considerar um possível aumento" no volume de gás fornecido à Europa, para ajudar a estabilizar os preços.

A crise energética global deve-se, em parte, à aceleração da procura, por causa das condições de recuperação económica da crise provocada pela pandemia de covid-19, e a vários fatores que reduziram a oferta, fazendo com que os preços disparassem a níveis sem precedentes.

Na Europa, as reservas de gás estão nos seus níveis mais baixos, após um inverno prolongado em 2020, a que se soma uma contribuição reduzida de energias renováveis, como a eólica, por razões meteorológicas.

Neste contexto, todos os olhares voltam-se para Moscovo, que fornece mais de um terço do gás europeu.

Os críticos da postura de Putin acusam a Rússia de usar a situação para pressionar pela obtenção de mais contratos de longo prazo e para colocar o novo gasoduto, Nord Stream, 2 em operação, rapidamente.

Leia Também: Bruxelas quer países a considerarem aquisição conjunta voluntária de gás

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório