Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2021
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 28º

Edição

G20 empenhado em fornecer ajuda humanitária ao Afeganistão

Os líderes do G20 disseram hoje estar focados em fornecer ajuda humanitária ao Afeganistão, destinando mil milhões de euros, e na luta contra o terrorismo na região.

G20 empenhado em fornecer ajuda humanitária ao Afeganistão

No final de uma cimeira do G20 dedicada ao Afeganistão e organizada pela Itália, o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, sublinhou "uma convergência substancial" do grupo das 20 maiores economias mundiais sobre a necessidade de enfrentar a crise humanitária no Afeganistão, anunciando uma ajuda de mil milhões de euros para atenuar o impacto da situação que se vive naquele país.

Os líderes do G20 disseram ainda estar "extremamente focados" na luta contra o terrorismo, durante a cimeira virtual, em que participaram ainda representantes das Nações Unidas e de países vizinhos do Afeganistão, como o Qatar, o Irão e o Paquistão.

"Devemos fazer tudo ao nosso alcance para evitar o colapso humanitário, social e económico no Afeganistão", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, num comunicado, divulgado paralelamente à cimeira virtual do G20.

Apesar de julgar que "é cedo para um reconhecimento diplomático" do regime talibã no Afeganistão, o chefe do Governo italiano admitiu que será necessário "algum envolvimento" das novas autoridades afegãs para fazer chegar a ajuda humanitária.

A Casa Branca, por sua vez, disse que os líderes do G20, incluindo o Presidente dos EUA, Joe Biden, permanecem determinados em complementar a ajuda humanitária com uma estratégia eficaz de luta contra o terrorismo.

Para a Presidência francesa, outra preocupação é o "isolamento económico do país (...) e o elevado número de pessoas deslocadas, 600.000", explicando que essa situação tem "um poderoso efeito desestabilizador".

Para a chanceler alemã, Angela Merkel, está fora de questão que a comunidade internacional "continue a assistir passivamente, enquanto 40 milhões de pessoas" no Afeganistão "mergulham no caos por falta de eletricidade e de um" sistema financeiro viável".

O Presidente chinês, Xi Jinping, e o Presidente russo, Vladimir Putin, não participaram na cimeira, enviando representantes em seu nome.

Os líderes do G7 já tinham reunido para discutir a situação no Afeganistão, depois de os talibãs terem chegado ao poder, em agosto, após a retirada das tropas internacionais.

Contudo, Draghi, cujo país detém a presidência rotativa do G20, insistiu em ampliar a participação no debate sobre o Afeganistão, incluindo países vizinhos e organizações internacionais, na busca de uma solução para o agravamento da crise humanitária.

Leia Também: Afeganistão: Talibãs encontram-se com delegação da UE e dos EUA no Qatar

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório