Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2021
Tempo
MIN 7º MÁX 12º

Edição

OMS está a ajudar autoridades congolesas a investigar novo caso de ébola

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está a ajudar as autoridades da República Democrática do Congo (RDC) a investigar o ressurgimento do ébola, após a morte de uma criança infetada, anunciou hoje a agência da ONU.

OMS está a ajudar autoridades congolesas a investigar novo caso de ébola
Notícias ao Minuto

09:26 - 09/10/21 por Lusa

Mundo OMS

O novo caso vitimou uma criança de três anos no nordeste da RDC, cinco meses após a declaração oficial do fim da 12.ª epidemia da doença no país, revelou o Ministério da Saúde congolês na sexta-feira à noite.

A diretora da OMS para África, Matshidiso Moet, disse hoje que a agência da ONU "está a apoiar as autoridades sanitárias na investigação do novo caso de ébola".

"O Kivu do Norte foi atingido por surtos de ébola nos últimos anos, mas isto aumentou a perícia local e a consciência da comunidade, abrindo caminho para uma resposta rápida", disse a médica do Botsuana, citada pela agência de notícias espanhola EFE.

Segundo a OMS, "não é raro que casos esporádicos ocorram após um surto importante, mas é demasiado cedo para dizer se este caso está ligado a surtos anteriores".

Na sexta-feira, ao final do dia, o ministro da Saúde congolês, Jean-Jacques Mbungani, disse que o rapaz infetado morreu, na quarta-feira, num hospital na zona de Butsili no território do Beni, na província do Kivu Norte.

Mbungani referiu que as equipas de saúde estavam a "trabalhar intensamente no terreno para realizar atividades de resposta, em particular a listagem e acompanhamento de cerca de 100 contactos até à data e a descontaminação das instalações de saúde".

"Graças à experiência adquirida na gestão da doença do vírus ébola em epidemias anteriores, estamos confiantes de que as equipas de resposta na província, apoiadas pela administração central, colocarão esta epidemia sob controlo o mais rapidamente possível", disse o ministro na sexta-feira.

O novo caso foi revelado após o Ministério da Saúde ter declarado, em 03 de maio, o fim do 12.º surto de ébola na RDC, que causou 12 infeções, incluindo seis mortes, no Kivu do Norte.

O último surto foi declarado em 07 de fevereiro, e envolveu casos nas cidades de Butembo, Byena, Katwa e Musienene, todas na província.

Segundo a OMS, este surto esteve ligado ao que ocorreu nas províncias orientais do Kivu Norte, Kivu Sul e Ituri entre 2018 e 2020, a décima epidemia de ébola na RDC, que causou 2.299 mortes, de acordo com dados da agência da ONU.

Esta epidemia foi a pior da história da RDC e a segunda mais grave do mundo, depois daquela que assolou a África Ocidental de 2014 a 2016, que provocou pelo menos 11.300 mortos em mais de 28.500 casos.

A doença do ébola, descoberta na República Democrática do Congo em 1976 - então chamada Zaire -, é transmitida por contacto direto com o sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infetados.

A febre causa hemorragias graves e pode ter uma taxa de mortalidade de 90%.

Os seus primeiros sintomas são febre alta súbita, fraqueza grave, dores musculares, dores de cabeça, dor de garganta e vómitos.

Leia Também: Ébola resurge no leste da RDC e mata criança de três anos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório