Meteorologia

  • 25 JUNHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 23º

UE pede que Etiópia revogue decisão que expulsou funcionários da ONU

A União Europeia (UE) e os seus Estados membros pediram hoje ao Governo etíope que revogue "sem demora" a sua decisão que levou à expulsão de sete altos funcionários das agências humanitárias da ONU do país.

UE pede que Etiópia revogue decisão que expulsou funcionários da ONU
Notícias ao Minuto

09:37 - 05/10/21 por Lusa

Mundo Agência humanitária

"Instamos ao Governo da Etiópia a revogar sem demora a sua decisão", condenada "veementemente" pelo bloco europeu, afirmou o Alto Representante para a Política Externa da UE, Josep Borrell, numa declaração em nome da União Europeia e dos seus Estados membros.

O chefe da diplomacia europeia sublinhou que é "imperativo que as organizações de direitos humanos e de ajuda humanitária possam realizar o seu trabalho sem obstáculos".

Esta decisão "corre o risco de minar ainda mais a possibilidade de levar ajuda a milhões de etíopes em situação humanitária extrema", lamentou.

Além disso, segundo Borrell, as organizações de ajuda enfrentam obstáculos diários contínuos para levar ajuda às pessoas necessitadas do Tigray e em outras partes do norte da Etiópia.

O Governo etíope anunciou na quinta-feira a expulsão de sete altos funcionários da ONU que foram declarados 'persona non grata' por "intromissão nos assuntos internos do país" e deu-lhes 72 horas para deixarem a Etiópia, o que já fizeram.

A medida foi adotada depois de organizações humanitárias denunciaram o acesso limitado à região norte do Tigray.

A ONU alertou repetidamente sobre a grave crise humanitária na região do Tigray e outras áreas e denunciou em várias ocasiões as dificuldades que está a enfrentar para levar ajuda à população.

As organizações internacionais no país africano "precisam urgentemente de um ambiente propício que lhes permita continuar com o seu trabalho diário para salvar vidas", disse Borrell, observando que "milhões de pessoas, em toda a Etiópia, dependem de sua ajuda para sobreviver".

O alto representante europeu afirmou que o trabalho humanitário é realizado sempre pelos princípios da humanidade, neutralidade, imparcialidade e independência, sublinhando ainda que "a salvaguarda destes princípios garante que a ajuda vá onde é mais necessária".

A guerra começou em 04 de novembro, quando o Governo etíope lançou uma ofensiva contra a Frente Popular de Libertação do Tigray (FPLT), partido que governava a região na época, em retaliação a um ataque a uma base militar federal.

Em 28 de junho, o executivo etíope anunciou um "cessar-fogo humanitário unilateral" e o exército retirou-se de várias cidades da região do Tigray -incluindo a capital, Mekele.

Entretanto, as forças amharas -- grupo étnico etíope que estavam a lutar ao lado do Governo e anexaram áreas sobre as quais reivindicam direitos históricos --permaneceram na região.

Nesse contexto, os rebeldes do Tigray recuperaram terreno e o conflito espalhou-se para as regiões vizinhas de Afar e Amhara.

Na sua declaração, a UE e os seus Estados-membros exortaram todas as partes em conflito a proteger as operações humanitárias e o seu pessoal, bem como a conceder um acesso seguro, rápido e desimpedido, em conformidade com o direito humanitário internacional.

Desde novembro, milhares de pessoas morreram, cerca de dois milhões foram deslocados internamente no Tigray e pelo menos 75.000 etíopes fugiram para o vizinho Sudão, de acordo com dados oficiais.

Além disso, quase sete milhões de pessoas enfrentam uma "crise de fome" no norte da Etiópia devido à guerra, alertou o Programa Alimental Mundial (PAM) no mês passado.

Leia Também: Borrell apela a cessar-fogo no Iémen dizendo não haver solução militar

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório