Meteorologia

  • 02 OUTUBRO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 30º

Moçambique. Missão militar conjunta da SADC vai ser "avaliada"

O Governo moçambicano e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) vão avaliar na terça-feira, em Pretória, África do Sul, como tem decorrido a missão militar conjunta em Cabo Delgado, anunciou hoje o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi.

Moçambique. Missão militar conjunta da SADC vai ser "avaliada"

"Convidados pela 'troika' do órgão para a cooperação nas áreas da política, defesa e segurança da SADC, faremos a avaliação do empenho da força de estado em alerta [Missão da África Austral em Moçambique, SAMIM, sigla inglesa] nos três meses inicialmente previstos, prestes a findar", disse o chefe de Estado.

Nyusi falava num discurso durante as cerimónias do Dia da Paz, que hoje se assinala em Moçambique, feriado alusivo à assinatura do Acordo Geral de Paz, em 1992, entre o governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a SADC permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas de Cabo Delgado onde havia rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

A SAMIM chegou ao terreno a 09 de agosto e anunciou estar totalmente operacional a 03 de setembro.

Juntando forças de diferentes países, a missão serve um mandato de seis pontos centrado em apoiar o estado moçambicano a tornar segura a província de Cabo Delgado e dar apoio aéreo, marítimo, logístico e de treino militar, recorda-se no comunicado.

O mandato inclui ainda o apoio às operações humanitárias.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Leia Também: Juiz diz que não há indícios de que Nyusi e Guebuza receberam subornos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório