Meteorologia

  • 24 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 24º

Venezuela. ONU denuncia perseguição de ativistas dos Direitos Humanos

A Organização das Nações Unidas (ONU) revelou hoje que continua a registar casos de "ataques, perseguições e ameaças" contra jornalistas e ativistas dos direitos humanos que colaboram com aquele organismo na Venezuela.

Venezuela. ONU denuncia perseguição de ativistas dos Direitos Humanos

Os casos denunciados fazem parte do relatório anual apresentado perante o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, pela subsecretária-geral da ONU Ilze Brans Kehris.

"Vários atores da ONU falam de intimidação e represálias contra defensores dos direitos humanos e a sociedade civil que cooperaram ou são vistos como cooperando com a ONU, em particular os que implementam programas humanitários da ONU", explica o relatório.

Segundo Ilze Brans Kehris as ONGS, os ativistas dos direitos humanos e atores da sociedade civil que cooperam com a ONU são frequentemente "rotulados" como "criminosos", "mercenários", "ladrões", "terroristas", e "inimigos do Estado", inclusive em fóruns da ONU e em portais em linha tidos como pró-Governo.

Segundo Ilze Brans Kehris, os ativistas Orlando Moreno, Gerardo Ernesto Carrero Delgado, Javier Tarazona, Rodney Antonio Álvarez Rodríguez, Guillermo Zárraga, Eudis Girot e Karen Caruci, teriam "sido objeto de tortura e tratos cruéis, inumanos e degradantes" na sequência da sua cooperação com a ONU.

"Estos atos incluiriam atos de intimidação, perseguição, estigmatização, rusgas arbitrárias, confiscação de equipamentos e materiais, congelamento de contas bancárias, alegadas detenções arbitrárias, judicialização, ameaças de morte, criminalização da cooperação internacional, represálias por denúncias perante organismos internacionais, ataques digitais e restrições legais à liberdade de associação", precisou Kehris.

No relatório lê-se que a Missão Internacional Independente de Inquérito (FFM) sobre a Venezuela pediu garantias de proteção para assegurar que não haja represálias contra quem fornece informações e seus familiares.

"De acordo com as informações recebidas, as condições de detenção de alguns indivíduos pioraram na sequência da sua cooperação com a ONU, inclusive após a inclusão dos seus casos no relatório do FFM, entre eles o capitão de marinha Luís de la Sotta (detido há mais de três anos)", explica.

O documento explica que desde outubro de 2020, as autoridades venezuelanas passaram a exigir o cumprimento de novos requisitos oficiais e a obrigatoriedade de as ONG locais se registarem e as que estão domiciliadas no estrangeiro de solicitar uma certificação em linha para poder operar na Venezuela.

"Se bem este registo tem por objetivo facilitar o trabalho das ONGs no país, pode ser recusado por motivos de 'ordem público e soberania' e exclui as ONGs que não fazem parte do Plano de Resposta Humanitária. A Superintendência de Bancos também teria emitido uma ordem que permite a supervisão das operações bancárias de organizações da sociedade civil", explica o relatório.

Leia Também: Pobreza atingiu máximo de 94,5% na Venezuela

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório