Meteorologia

  • 27 OUTUBRO 2021
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Agência sueca capacita intervenientes do acordo de paz em Moçambique

Uma delegação da agência sueca Folke Bernadotte Academy vai capacitar intervenientes do processo do Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) da Renamo, no âmbito do acordo paz assinado entre aquele partido e o Governo moçambicano.

Agência sueca capacita intervenientes do acordo de paz em Moçambique

"O objetivo da capacitação é desenvolver estratégias sensíveis ao género e mensagens destinadas aos beneficiários de DDR durante todo o processo em curso no país", refere uma nota da embaixada da Suécia em Moçambique.

Segunda nota, a capacitação vai beneficiar os intervenientes diretos do processo, com destaque para grupo técnico-conjunto para o DDR, o grupo técnico-conjunto de monitoria e verificação e clubes da paz criados no âmbito do acordo, além de pontos focais nas províncias abrangidas.

"As negociações de paz e segurança devem ser baseadas numa perspetiva de género de modo a garantir que as necessidades de toda a população, incluindo mulheres, sejam consideradas", declarou Mette Sunnergren, embaixadora da Suécia em Moçambique, citada na nota.

O Acordo de Paz e Reconciliação Nacional foi assinado em 06 de agosto de 2019 em Maputo pelo atual Presidente da República, Filipe Nyusi, e pelo líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Ossufo Momade, prevendo, entre outros aspetos, o DDR do braço armado da Renamo, envolvendo cerca de 5.000 membros.

O processo já abrangeu mais de 2.600 guerrilheiros da Renamo, mas o principal partido de oposição tem criticado uma alegada falta de interesse em integrar o grupo de guerrilheiros daquele partido que se vão juntar à polícia e atrasos no desembolso dos subsídios dos ex-guerrilheiros já abrangidos.

O entendimento foi o terceiro entre o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e a Renamo, tendo os três sido assinados na sequência de ciclos de violência armada entre as duas partes.

O acordo é contestado por um grupo dissidente daquele partido de oposição autoproclamado Junta Militar da Renamo, à qual são atribuídos ataques a alvos civis e do Estado no centro do país, com mais de 30 mortos, desde agosto de 2019.

O grupo, chefiado por Mariano Nhongo, um general da guerrilha da Renamo, acusa a atual liderança do partido de ter traído os ideais do defunto presidente da organização, Afonso Dhlakama, nos compromissos que assumiu com a liderança do executivo da Frelimo.

Leia Também: Moçambique anuncia três mortes e 79 novos casos em 24 horas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório