Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Polícia deteve grupos religiosos em matas do interior de Moçambique

A polícia moçambicana deteve dois grupos de uma seita religiosa cujos membros renunciaram aos seus bens nas aldeias para se juntarem em matas do interior centro do país, disse hoje à Lusa fonte policial.

Polícia deteve grupos religiosos em matas do interior de Moçambique

O caso ocorreu na província de Tete e as autoridades suspeitam de ligações a movimentos insurgentes, averiguando se há ligações com rebeldes de Cabo Delgado, acrescentou.

O primeiro grupo com 14 membros, todos homens adultos, foi intercetado em 07 de setembro numa viatura que viajava pelo interior do distrito de Tsangano.

Já o segundo grupo com 44 membros, que incluía 19 mulheres e 17 crianças, com idades entre 4 meses e 17 anos, está sob custódia policial desde domingo.

Foram detidos num acampamento numa mata densa no povoado de Chicachirue, na fronteira entre os distritos de Angónia e Tsangano, na fornteira com o Maláui, explicou Feliciano da Câmara, porta-voz do comando provincial da polícia em Tete.

Entre os membros estão quatro professores que lecionam nas escolas dos dois distritos.

Os restantes membros renunciaram aos seus empregos e bens para a realização de uma "suposta cerimónia religiosa".

A polícia está a tentar "identificar a seita religiosa e todos os contornos que os levaram a se encontrar naquele local, visto que levavam consigo alimentos e roupas, entre outros", explicou o porta-voz, adiantando que a operação de neutralização dos grupos partiu de uma denúncia.

Os grupos foram levados para as instalações no comando distrital da polícia de Angónia, onde permanecem, e vão ser responsabilizados, desde logo, "por violarem o decreto presidencial", que proíbe reuniões religiosas em tempo de covid-19.

Paralelamente, decorre uma investigação sobre as motivações do agrupamento na mata.

A polícia está a averiguar se o grupo tem "relação com as questões de segurança que estão a existir no norte de Moçambique, concretamente em Cabo Delgado", concluiu.

Cabo Delgado é uma província rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.

Leia Também: Ruandeses "aterrorizados" com assassinato de empresário em Moçambique

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório