Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2021
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

ONU denuncia abandono internacional de crianças nos campos de refugiados

Cerca de 40.000 crianças, mais da metade delas estrangeiras, vivem em más condições nos campos de refugiados na Síria, incluindo o campo de Al-Hol, mas os seus países de origem recusam-se a repatriá-las, denunciou hoje a ONU.

ONU denuncia abandono internacional de crianças nos campos de refugiados
Notícias ao Minuto

16:59 - 14/09/21 por Lusa

Mundo Síria

A missão de investigação da ONU para a Síria fez este alerta hoje no seu mais recente relatório sobre os campos de refugiados no nordeste da Síria.

"Alguns países que se dizem democráticos se esqueceram o que está a acontecer em Al-Hol", declarou o presidente da missão tripartida, Paulo Pinheiro.

O responsável lembrou que cerca da metade dessas crianças são iraquianas e outras 7.800 são provenientes de mais de 60 outros países.

Embora cerca de mil crianças de Al-Hol e outros campos tenham conseguido retornar aos seus países, muitas permanecem "privadas de liberdade e do direito à educação, de terem cuidados de saúde adequados ou mesmo de brincar, sem serem acusadas por alguém de qualquer crime", indicou o relatório da missão da ONU.

Hanny Megally, também membro da comissão que desde 2011 documenta crimes de guerra e crimes contra a humanidade na Síria, explicou que muitas dessas crianças vivem com as suas mães nos campos e que alguns países dão a desculpa de não quererem separar essas famílias.

"Mães e filhos devem voltar para casa", disse Megally, destacando que os debates para que os Estados cuidem desses refugiados já duram há mais de 30 meses.

Al-Hol e outros campos de refugiados ao longo da fronteira com o Iraque são controlados pelas Forças Democráticas da Síria, ligadas ao governo autónomo curdo, que se opõe a Damasco, e os seus refugiados são principalmente pessoas deslocadas de áreas antes controladas pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

"Punir os filhos pelos pecados dos pais é injustificável", sublinhou Paulo Pinheiro, insistindo que essas crianças, muitas delas menores de 12 anos, devem ser protegidas de acordo com as leis humanitárias e de direitos humanos.

O relatório apresentado pela missão, o vigésimo quarto preparado após mais de uma década de guerra civil na Síria, indica que, apesar da recente redução de bombardeamentos e ataques de artilharia, os crimes de guerra e contra a humanidade continuam a ser cometidos por todas as partes.

"A guerra na Síria continua e permanece difícil para os sírios encontrarem um lugar seguro no país", resumiu Pinheiro.

Megally acrescentou que a vitória de Bashar al-Assad nas eleições presidenciais de maio, após as quais o chefe de Estado iniciou o seu quarto mandato, não foi acompanhada por uma redução esperada na repressão do regime aos oponentes.

"Continuam a repetir-se os casos de detenções arbitrárias em condições de incomunicabilidade por parte das forças governamentais e houve tortura, violência sexual, mortes sob custódia e desaparecimentos entre os detidos", denunciou o relatório.

Os autores do documento lamentam particularmente o regresso de uma tática mais típica das guerras medievais, os cercos, nos últimos meses, em que as forças governamentais isolaram cidades como Deraa al-Balad, um dos lugares onde começou a insurgência contra Al-Assad em 2011.

"Dezenas de milhares de pessoas estão presas sem acesso a alimentos ou cuidados de saúde, forçando milhares delas a fugir", sublinhou o relatório.

"É muito triste que no século XXI volte uma prática como esta", disse Pinheiro, após afirmar que o conflito se torna cada vez mais "uma guerra contra a população civil" num país não só destruído pelo conflito, mas também devido à crise de saúde e à pandemia da covid-19.

O relatório também denunciou violações de direitos humanos em áreas ainda controladas por grupos islâmicos como Hayat Tahrir al-Sham (a antiga Frente Al-Nusra), onde "restrições à aos meios de comunicação e à liberdade de expressão continuam a ser impostas, incluindo a detenção de jornalistas e ativistas".

Leia Também: Afeganistão: Retomados voos humanitários da ONU para Cabul

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório