Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 9º MÁX 17º

Autoridades quenianas saúdam luta contra caça-furtiva

As autoridades quenianas saudaram os progressos alcançados na luta contra a caça-furtiva no país, depois da publicação, na noite de segunda-feira, do primeiro recenseamento animal realizado no país, que deverá permitir melhorar a conservação das espécies.

Autoridades quenianas saúdam luta contra caça-furtiva

De acordo com os dados, citados pela agência France-Presse (AFP), o Quénia conta com uma população de 36.280 elefantes, que aumentou 21% a partir de 2014, quando a caça-furtiva atingiu um pico de atividade.

"Os esforços para aumentar as penas por crimes relacionados com espécies ameaçadas parecem estar a dar frutos", disseram os autores do recenseamento num relatório.

A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) alertou, em março, que a população de elefantes africanos estava a ser dizimada pela caça-furtiva e pela destruição de habitats, em particular devido à transformação de terras para agricultura.

Na sua mais recente atualização da "lista vermelha", a UICN assinalou que a população de elefantes da savana africana desceu pelo menos 60% nos últimos 50 anos, o que colocou a espécie "em perigo".

O recenseamento, financiado pelo executivo queniano, contou 30 espécies animais diferentes, tendo assinalado que o número de leões, zebras, antílopes e girafas está a aumentar.

O documento refere que há um total de 1.739 rinocerontes, incluindo 840 rinocerontes brancos do sul e 897 rinocerontes negros -- uma espécie severamente ameaçada.

Já a reserva de caça Maasai Mara, no sul do país, é lar de cerca de 40.000 gnus.

"A obtenção deste nível de informação (...) permite uma melhor política, planeamento e avaliação das áreas que necessitam de atenção", disse o ministro da Fauna, Najib Balala, citado no relatório.

O chefe de Estado queniano, Uhuru Kenyatta, elogiou o sucesso das agências ambientalistas no combate à caça furtiva, tendo apelado para a realização de abordagens inovadoras para proteger a vida selvagem.

"[A fauna] É a nossa herança, é a herança dos nossos filhos e é importante para nós saber o que temos, para que estejamos mais bem informados na nossa política e ações", referiu, num comunicado.

No relatório indica-se ainda que deve ser dada especial atenção a certas espécies de antílopes, como o antílope de areia e o bongo da montanha, uma vez que restam menos de 100 exemplares de cada.

Estas espécies poderão ser extintas caso não sejam tomadas medidas urgentes.

O documento alerta também que o progresso registado nos últimos anos pode ser ameaçado pelo crescimento exponencial da população humana e pelo consequente aumento da necessidade de terras -- para habitação e para atividades económicas.

Leia Também: Aquecimento global muda vida e hábitos de plantas e animais em Portugal

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório