Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2021
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Emboscada realizada por alegados 'jihadistas' mata 11 soldados malianos

Pelo menos 11 soldados malianos foram mortos e 10 ficaram feridos, a maioria com gravidade, numa emboscada hoje realizada por alegados 'jihadistas' no centro do Mali, anunciou o Exército do país.

Emboscada realizada por alegados 'jihadistas' mata 11 soldados malianos
Notícias ao Minuto

21:05 - 19/08/21 por Lusa

Mundo Mali

"Um comboio [de veículos] foi emboscado no final da manhã de 19 de agosto de 2021. Um veículo armadilhado explodiu, seguido de disparos intensos", refere o Exército maliano num comunicado citado pela agência France-Presse.

"O balanço provisório é de 11 mortos e 10 feridos, nove dos quais com gravidade", acrescentou o ramo das Forças Armadas do Mali.

Um responsável atribuiu a operação a "terroristas", um termo comummente utilizado pelas Forças Armadas malianas para descrever os 'jihadistas'.

As unidades malianas tinham partido de Boni e Hombori, tendo a emboscada ocorrido perto de Douentza, apontou uma fonte das forças de segurança à agência noticiosa. As três localidades encontram-se na região central de Mopti e numa área de acesso difícil, onde elementos 'jihadistas' associados à Al-Qaida e ao grupo Estado Islâmico estão sediados.

As forças malianas são regularmente alvo de ataques mortais.

Em fevereiro, um ataque ao posto de Boni provocou a morte de 10 soldados malianos.

A instabilidade que afeta o Mali começou com o golpe de Estado em 2012, quando vários grupos rebeldes e organizações fundamentalistas tomaram o poder do norte do país durante 10 meses.

Os fundamentalistas foram expulsos em 2013 graças a uma intervenção militar internacional liderada pela França, mas extensas áreas do país, sobretudo no norte e no centro, escapam ao controlo estatal e são, na prática, geridas por grupos rebeldes armados.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 4.000 pessoas foram mortas em ataques terroristas em 2019 no Mali, Burkina Faso e Níger, tendo o número de pessoas deslocadas aumentado 10 vezes, ficando próximo de um milhão.

Independente desde 1960, o Mali viveu, em agosto do ano passado, o quarto golpe militar na sua história, depois dos episódios ocorridos em 1968, 1991 e em 2012.

Leia Também: Grupo terrorista JNIM reivindica oito ataques no Mali (ONU não confirma)

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório