Meteorologia

  • 05 MARçO 2024
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 16º

Hezbollah anuncia transporte de gasóleo do Irão para o Líbano

O movimento libanês Hezbollah anunciou hoje que um petroleiro iraniano vai navegar "dentro de horas" para o Líbano, numa aparente violação de sanções impostas a Teerão, e avisou Israel e Estados Unidos para não o intercetarem.

Hezbollah anuncia transporte de gasóleo do Irão para o Líbano
Notícias ao Minuto

10:49 - 19/08/21 por Lusa

Mundo Médio Oriente

Num discurso televisivo, o líder do movimento xiita apoiado pelo Irão, Hassan Nasrallah, disse que o petroleiro transportará gasóleo para ajudar a aliviar a escassez de combustível no Líbano, que paralisa o país há semanas.

"Gostaria de dizer que no momento em que o petroleiro navegar - dentro de horas - e se mover no mar, será considerado em território libanês", disse Nasrallah, citado pela agência Associated Press (AP).

Este primeiro petroleiro será seguido de outros, segundo Nasrallah.

O líder do Hezbollah acusou o Ocidente de estar a impor um cerco não declarado ao Líbano, causando a atual crise.

"Eu digo aos americanos e aos israelitas que isto é território libanês", disse Nasrallah sobre o petroleiro, sem especificar o que fará o Hezbollah se o navio for intercetado.

O Hezbollah (Partido de Deus) e os seus aliados acusam os EUA e algumas nações árabes do Golfo de punir o Líbano devido às atividades militares do movimento xiita noutros países, incluindo a Síria e o Iraque.

A vizinha Síria responsabilizou Israel por misteriosos ataques que visaram petroleiros que se dirigiam do Irão para a Síria no ano passado.

A entrega de combustível organizada pelo Hezbollah seria uma aparente violação das sanções impostas por Washington a Teerão, após o ex-presidente norte-americano, Donald Trump, ter retirado os EUA de um acordo nuclear entre o Irão e as potências mundiais há três anos.

Nasrallah não especificou como é que o Líbano irá pagar o combustível, mas num discurso anterior tinha dito que Teerão poderia receber libras libanesas.

A moeda libanesa perdeu mais de 90% do seu valor desde o início da crise económica do país, em outubro de 2019.

Desde há semanas, os libaneses têm de esperar em longas filas nas estações de serviço para abastecer os automóveis.

A escassez de gasóleo, no meio de graves cortes de energia, impede o funcionamento de geradores privados e tem originado problemas na produção de bens essenciais, como o pão.

Alguns hospitais alertaram que os doentes poderão morrer devido à falta de energia.

O contrabando, o açambarcamento e a incapacidade do governo libanês em garantir a entrega de gasóleo importado têm sido apontadas como as razões para a crise de combustível.

O Líbano sofreu durante décadas cortes de eletricidade, em parte devido à corrupção generalizada e à má gestão.

A nação mediterrânica de seis milhões de habitantes - incluindo um milhão de refugiados sírios - está perto da bancarrota, segundo a AP.

A situação deteriorou-se drasticamente na semana passada, depois de o banco central ter decidido acabar com os subsídios aos produtos combustíveis.

A decisão deverá causar um aumento dos preços de quase todas as mercadorias no Líbano.

Nasrallah disse que o Hezbollah não pretende "desafiar ninguém" ao organizar o carregamento de combustível do Irão.

Mas "não podemos ficar parados no meio da humilhação do nosso povo, seja em frente de padarias, hospitais, postos de gasolina e escuridão durante a noite", acrescentou.

Leia Também: Israel responsabiliza Líbano por ataques, mesmo 'sem mão' de Hezbollah

Recomendados para si

;
Campo obrigatório