Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2021
Tempo
22º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Iémen: Encerramento de aeroporto retém 32 mil doentes no país em 5 anos

O encerramento do aeroporto de Sanaa, controlado pelos rebeldes xiitas Huthis, impediu pelo menos 32.000 iemenitas doentes de viajarem para o estrangeiro para tratamento médico urgente nos últimos cinco anos, denunciaram hoje duas organizações não-governamentais internacionais.

Iémen: Encerramento de aeroporto retém 32 mil doentes no país em 5 anos
Notícias ao Minuto

13:44 - 05/08/21 por Lusa

Mundo Iémen

"O encerramento do aeroporto de Sanaa pelo quinto ano consecutivo reteve pelo menos 32.000 pacientes iemenitas gravemente doentes que necessitavam de tratamento no estrangeiro", afirmaram o Conselho Norueguês para os Refugiados (NRC) e a CARE International numa declaração conjunta citada pela agência EFE.

Os rebeldes Huthis, apoiados pelo Irão, controlam o aeroporto desde 2014, quando expulsaram o Presidente do Iémen, Abdrabbuh Mansour Hadi, que se refugiou na Arábia Saudita.

Uma coligação árabe liderada pela Arábia Saudita interveio no Iémen em março de 2015, numa tentativa de restaurar o Governo de Hadi, reconhecido internacionalmente.

Localizado no sul da Península Arábica e considerado o país mais pobre do mundo árabe, o Iémen está dividido entre os rebeldes Huthis, no Norte, e um Governo internacionalmente reconhecido, no Sul.

A coligação árabe tem controlado o espaço aéreo do Iémen e o aeroporto foi fechado aos voos comerciais em 09 de agosto de 2016, sendo apenas autorizados voos da ONU e de outras agências humanitárias.

O encerramento do aeroporto obrigou as pessoas que vivem em 11 províncias controladas pelos Huthis, incluindo a capital, a fazer várias horas de viagem terrestre para um dos dois aeroportos controlados pelo governo em Aden (Sul) e Sayun (Leste) para poderem deslocar-se ao estrangeiro.

Estas viagens através das rotas para Aden ou Sayun podem demorar entre 15 e 24 horas, respetivamente, e implicam atravessar dezenas de pontos de controlo militares e frentes de conflito.

Muitos iemenitas doentes escolhem não fazer a viagem por medo de serem presos quando atravessam um território controlado por uma das partes em conflito para o outro.

Várias rondas de negociações mediadas pela ONU entre os Huthis e o Governo de Hadi, apoiado por Riade, não conseguiram chegar a acordo sobre a reabertura do aeroporto.

"Cinco anos de restrições impostas ao espaço aéreo do Iémen pela coligação liderada pela Arábia Saudita estão a impedir milhares de civis iemenitas doentes de procurar tratamento médico urgente fora do país", lê-se na declaração das duas ONG.

O diretor nacional da CARE no Iémen, Aaron Brent, citado pela EFE, apelou à coligação e às partes em conflito para que coloquem a "vida dos civis iemenitas em primeiro lugar".

"Devem reabrir o aeroporto a voos comerciais para nos ajudar a aliviar a catástrofe humana provocada pelo encerramento", acrescentou.

Leia Também: Pelo menos 111 mortos em confrontos no Iémen nos últimos três dias

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório