Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
22º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Líbia: Filho de Kadhafi reaparece e admite um regresso político

Seif al-Islam Kadhafi, filho do ex-líder líbio Muammar Kadhafi, pretende "restaurar a unidade perdida" da Líbia após uma década de caos e projetar uma candidatura à Presidência, declarou numa rara entrevista concedida ao diário New York Times.

Líbia: Filho de Kadhafi reaparece e admite um regresso político
Notícias ao Minuto

15:08 - 30/07/21 por Lusa

Mundo Líbia

Os atuais responsáveis políticos líbios "impuseram a miséria. Chegou a hora de um regresso ao passado. O país está de joelhos (...), não há dinheiro, não há segurança. Aqui, não há vida", declarou Seif al-Islam Kadhafi, 49 anos, que reapareceu pela primeira vez em quatro anos.

Em 2011, após quatro décadas de poder, Muammar Kadhafi e os seus próximos foram derrubados num levantamento popular, apoiado por uma intervenção aérea da NATO.

Muitos foram mortos, com o então líder executado sumariamente, outros detidos ou forçados ao exílio.

Três dos filhos de Kadhafi foram mortos, mas o destino do quarto, Seif al-Islam, que durante muito tempo se apresentou como sucessor de seu pai, permanecia um mistério.

Capturado em novembro de 2011 por um grupo armado em Zenten, noroeste da Líbia, foi condenado à morte em 2015 após um processo sumário.

No entanto, o grupo que o detinha recusou entregá-lo às autoridades ou ao Tribunal penal internacional (TPI), que o indiciou por "crimes contra a humanidade", e libertou-o em 2017. Desde então que o seu destino permanecia desconhecido.

No seu primeiro encontro com um jornalista estrangeiro após uma década, Seif al-Islam considerou-se um "homem livre" e disse que organizava um regresso político, sem mais precisões.

"Desencantados com a revolução", os rebeldes que o capturaram "compreenderam finalmente que poderia ser um poderoso aliado", disse ainda na longa entrevista à revista do New York Times.

Após uma década de luta pelo poder e com a intervenção no terreno de diversos países estrangeiros, a Líbia anunciou em março um Governo provisório destinado a unificar as instituições até à realização de eleições legislativas e presidenciais previstas para dezembro.

Uma eventual candidatura de Seif al-Islam seria confrontada com a sua condenação por um tribunal líbio e pelo mandado de captura do TPI.

No entanto, afirmou-se "convencido que as questões jurídicas poderão ser negociadas caso uma maioria do povo líbio o escolha como chefe", escreveu o New York Times, que concluiu: "Seif parece acreditar que apenas ele pode representar o Estado para todos os líbios".

Leia Também: Rússia diz que Estado Islâmico está a entrar "ativamente" no Afeganistão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório