Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2021
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Hungria ameaça despedir trabalhadores que não se vacinem até setembro

O Governo da Hungria impôs, por decerto, a vacinação obrigatória contra o Covid-19 aos trabalhadores da saúde, incluindo o setor de fornecimento de medicamentos, com a ameaça de despedimento caso não recebam a primeira dose até 1 de setembro.

Hungria ameaça despedir trabalhadores que não se vacinem até setembro
Notícias ao Minuto

14:28 - 30/07/21 por Lusa

Mundo Covid-19

A medida abrange as pessoas que trabalham em hospitais, ambulâncias, lares de terceira idade, centros de proteção infantil e de assistência sanitária ao exército e polícia, indicou a agência noticiosa magiar MTI.

O decreto governamental, publicado na quinta-feira à noite, determina que todas estas pessoas deverão receber a primeira dose da imunização até 1 de setembro.

As únicas exceções abrangem quem não pode ser vacinado por motivos de saúde comprovados.

Quem não cumprir o requisito de vacinação exigido pode ser despedido, sem direito a aviso prévio ou indemnização.

O Governo húngaro tinha já anunciado há duas semanas que iria impor a inoculação obrigatória para os trabalhadores dos serviços de saúde, mas ainda não tinha fixado um prazo determinado para a sua concretização.

Por sua vez, foi autorizada a terceira dose para as vacinas anti-covid, com a recomendação de que tenham passado pelo menos quatro meses desde a segunda injeção.

A Hungria promoveu um acelerado programa de vacinação e para além de ter utilizado os preparados da Moderna, Pfizer/BioNTech e AztraZeneca, também recorreu a outros não autorizados pela União Europeia, como o chinês Sinopharm e o russo Sputnik V.

Mais de 90% dos trabalhadores dos serviços de saúde já receberam as duas doses, em particular da Pfizer.

Mais de 40% dos 9,7 milhões de habitantes da Hungria ainda não estão vacinados, mas o Governo planeia uma campanha para garantir que todos os maiores de 60 anos recebam as duas doses.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 4.202.179 mortos em todo o mundo, entre mais de 196,5 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência AFP.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.330 pessoas e foram registados 963.446 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Leia Também: Portugal comprou à Hungria vacinas para "doações a países lusófonos"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório