Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2021
Tempo
11º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Nações Unidas exigem esclarecimento sobre caso de jornalista agredida

A ONU Mulheres e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos exigiram hoje ao Governo mexicano "o esclarecimento total das agressões" contra a jornalista Lydia Cacho, em 2005.

Nações Unidas exigem esclarecimento sobre caso de jornalista agredida
Notícias ao Minuto

18:44 - 29/07/21 por Lusa

Mundo México

Perante a recente proteção recebida pelo empresário José Kamel Nacif, acusado de agredir a jornalista, as agências da ONU "lembram a obrigação das instituições do Estado mexicano de garantir uma investigação eficaz dos crimes e violações dos direitos humanos".

A decisão surge depois da denúncia, na terça-feira, de que um tribunal em Quintana Roo, no sudeste do México, exonerou Nacif, isentando-o de qualquer responsabilidade no caso das agressões a Lydia Cacho.

A jornalista foi detida em dezembro de 2005 por uma dezena de polícias que, sem mandado de detenção, a levaram de Cancún para Puebla num veículo que era propriedade de Nacif, empresário da indústria têxtil.

Nacif foi um dos principais citados no livro "Los Demonios del Edén", no qual a jornalista denunciou uma rede de pornografia infantil e prostituição que envolvia empresários próximos ao então governador de Puebla, Mario Marín.

"A impunidade no caso de Lydia Cacho não afeta apenas a jornalista e os seus familiares, (mas também) favorece a repetição de crimes e violações de direitos humanos e impacta negativamente todas as mulheres mexicanas que praticam jornalismo e a defesa dos direitos humanos", denunciou a ONU.

As agências das Nações Unidas pediram igualmente ao Governo do México para que cumpra o parecer da Comissão de Direitos Humanos da ONU, que determinou que o Estado mexicano violou o direito de acesso a um recurso judicial efetivo, à igualdade e à não discriminação.

"A atividade de jornalistas e defensores dos direitos humanos é essencial numa sociedade democrática. O próprio trabalho de Cacho provou a importância do jornalismo", disse a ONU.

O Governo do Presidente Andrés Manuel López Obrador já se desculpou publicamente pelo caso, mas a jornalista e associações civis consideram que a impunidade persiste.

Questionado sobre o assunto, López Obrador comentou na sua conferência de imprensa de hoje que pedirá ao Ministério do Interior para analisar a exoneração de Nacif, admitindo um recurso a outras instâncias.

"É necessária uma reforma, uma reforma do sistema judicial é urgente", defendeu o Presidente, que hoje mesmo anunciou também a sua intenção de assinar um decreto para libertar detidos que foram torturados em prisões federais.

"Quer detido que tenha sido torturado numa prisão federal, e que esteja ao abrigo do Protocolo de Istambul, será libertado. Não queremos tortura no México. Ninguém merece ser torturado", disse López Obrador na conferência de imprensa.

O Protocolo de Istambul - adotado pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em agosto de 1999, e pela Comissão de Direitos Humanos, em 4 de dezembro de 2000 - é um manual de referência internacional usado para investigar casos de tortura e outros tratamentos cruéis.

O decreto prevê a libertação de pessoas que estão encarceradas por crimes menores há 10 anos e que ainda não foram condenadas, detidos com mais de 75 anos e outros com doenças crónicas com mais de 65 anos.

Existem 220.114 presos no México; dos quais 94.547 não foram condenados, incluindo 12.358 acusados de crimes federais, segundo dados do Presidente mexicano.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório