Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2021
Tempo
27º
MIN 17º MÁX 27º

Edição

Polícia eslovaca interveio para dispersar protesto contra restrições

Forças antimotim intervieram hoje para libertar o acesso ao Parlamento eslovaco, cercado por centenas de manifestantes contra as medidas de combate à covid-19, incluindo a exigência de testes ou certificados de vacina para aceder a serviços.

Polícia eslovaca interveio para dispersar protesto contra restrições
Notícias ao Minuto

16:23 - 23/07/21 por Lusa

Mundo Covid-19

A intervenção policial, usando gás lacrimogéneo contra os manifestantes, ocorreu após dias de protestos em várias cidades fronteiriças por eslovacos que viajam diariamente para outros países para trabalhar e a quem são exigidas quarentena de 14 dias no regresso, caso não sejam vacinados.

A medida, aplicada desde 09 de julho, foi considerada discriminatória pelo Tribunal Constitucional da Eslovénia, o que levou o Governo a estendê-la a todos os cidadãos que entram no país.

Os manifestantes, que cercaram hoje o Parlamento, também protestaram contra o anúncio do Ministério da Saúde de que quem possui o passaporte verde europeu - que atesta que está vacinado, testado ou teve a doença - pode usá-lo como alternativa ao mecanismo de registo nacional.

Na prática, esta medida implica que os vacinados poderão ter acesso a serviços como restaurantes ou lojas, sem ter que apresentar um teste PCR negativo recente.

A ação policial foi justificada pelo primeiro-ministro, o populista conservador Eduard Heger, como medida de segurança.

"O direito de expressar a opinião faz parte da democracia. É importante, porém, que os protestos ocorram sem altercações. E qualquer ataque ou agressividade contra a polícia é inadmissível", disse Heger.

Em frente ao Parlamento, os manifestantes gritaram 'slogans' como "Gestapo", "Devolvam-nos a Eslováquia" ou "Não lhe daremos a Eslováquia" e empunharam cartazes criticando o "Terror da Vacina".

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.139.040 mortos em todo o mundo, entre mais de 192,5 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Leia Também: Papa vai encontrar-se com Viktor Orbán em visita à Hungria em setembro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório