Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2021
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 26º

Edição

Bielorrússia vai encerrar dezenas de ONG e associações

Dezenas de ONG e associações bielorrussas que abrangem dos direitos humanos ao jornalismo estavam hoje em vias de ser dissolvidas pelas autoridades, numa nova medida destinada à eliminação de toda a oposição ao Presidente Alexandre Lukashenko.

Bielorrússia vai encerrar dezenas de ONG e associações

Segundo a organização de defesa dos direitos humanos Viasna, também alvo das autoridades, pelo menos 47 Organizações não governamentais (ONG) serão abrangidas, depois de algumas terem sido revistadas pela polícia nas últimas semanas.

Entre estas organizações inclui-se o gabinete bielorrusso da PEN, uma associação de defesa dos escritores, que denunciou recentemente detenções e rusgas dirigidas a diversos 'media' ou a uma reputada escola de comércio de Minsk.

Organizações de defesa dos direitos humanos, de ensino de línguas, de ajuda a deficientes ou de ajuda ao emprego para jovens, e ainda associações de caridade, também estão em vias de serem encerradas, segundo o portal jurídico do Governo, no qual é possível consultar o estatuto destas organizações.

Estas medidas seguem-se às críticas do Presidente Alexandre Lukashenko, que durante uma reunião governamental na quinta-feira comparou os membros das ONG a "bandidos" e "agentes do estrangeiro" que atuam "em detrimento do Estado".

"A limpeza está em curso", anunciou.

No início de julho, durante um encontro na Rússia com o seu homólogo Vladimir Putin, o chefe de Estado bielorrusso tinha já apelado à "comparência perante a justiça" das "sórdidas ONG" que fomentam "o terror".

Há meses que o regime de Lukashenko procede à detenção de opositores, jornalistas e militantes para tentar suprimir em definitivo a histórica contestação na sequência da sua reeleição a um quinto mandato em agosto de 2020, que a oposição denunciou de fraudulenta.

Em julho, uma série de rusgas e detenções foram dirigidas a diversos 'media' e à oposição, enquanto 11 estudantes e um professor foram condenados a pesadas penas de prisão por se terem manifestado contra o poder.

O movimento de contestação de 2020, que durante meses juntou dezenas de milhares de manifestantes, acabou por se diluir na sequência de detenções em massa, espancamentos e o exílio de diversos dos seus dirigentes.

Leia Também: Presidente da Bielorrússia promete manter perseguições a ONG e imprensa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório