Meteorologia

  • 27 SETEMBRO 2021
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 26º

Edição

Bispo de Pemba pede às forças estrangeiras respeito por direitos humanos

O bispo António Juliasse Sandramo, administrador da diocese de Pemba, capital de Cabo Delgado, norte de Moçambique, pediu hoje o respeito pelos direitos humanos às tropas estrangeiras destacadas na província, alertando para o risco de agravamento da violência.

Bispo de Pemba pede às forças estrangeiras respeito por direitos humanos
Notícias ao Minuto

14:48 - 23/07/21 por Lusa

Mundo Moçambique/Ataques

"Toda a ação que deve ser feita [pelas forças militares estrangeiras] é no sentido de restituir a paz e nada mais do que isso e deve ser feito no respeito à vida da pessoa humana", afirmou Sandramo, em declarações à Lusa.

Aquele bispo católico defendeu que a intervenção militar estrangeira não deve resultar na perpetuação da violência e cometimento de abusos contra a população.

"Que a violência não continue e que tudo isso não provoque mortes de pessoas humanas", sublinhou.

O administrador da diocese de Pemba enfatizou que a presença de militares estrangeiros abre um novo ciclo na guerra contra grupos armados, alertando para a imprevisibilidade do desfecho.

"A nossa província de Cabo Delgado entrou para um novo ciclo em relação a esta violência que vivemos, que é o ciclo que foi inaugurado com a entrada de forças estrangeiras para apoiar as Forças de Defesa e Segurança de Moçambique no enfrentamento desta situação", destacou António Juliasse Sandramo.

"É um novo ciclo em que nós só estamos a ver o começo, mas não sabemos qual vai ser o curso e nem sequer também o fim", referiu.

A Igreja Católica, continuou, vai acompanhar a evolução da situação, com confiança e oração a Deus, para o fim do conflito.

Um contingente de mil militares e polícias do Ruanda encontra-se em Cabo Delgado há duas semanas para o combate aos grupos armados que protagonizam ataques na província, no quadro de um acordo bilateral entre o Governo moçambicano e as autoridades de Kigali.

No âmbito de um mandato outorgado pelos chefes de Estado e de Governo da SADC, a organização regional vai destacar para Moçambique um contingente militar para o combate à insurgência, descrita pelo Governo moçambicano e entidades internacionais como "terrorismo".

Não é publicamente conhecido o número de militares que a organização vai enviar a Moçambique, mas peritos militares já tinham avançado que a missão deve ser composta por cerca de três mil homens.

Grupos armados aterrorizam a província de Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo Estado Islâmico.

Há mais de 2.800 mortes segundo o projeto de registo de conflitos ACLED e 732.000 deslocados de acordo com as Nações Unidas.

Leia Também: Moçambique com 31 mortes e novo recorde de 2.153 infetados em 24 horas 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório