Meteorologia

  • 24 JULHO 2021
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 26º

Edição

Famílias libanesas gastam cinco salários mínimos só para alimentação

As famílias no Líbano gastam atualmente cinco vezes o salário mínimo para suprir as necessidades alimentares, segundo um relatório divulgado hoje, numa altura em que o país vive uma inflação galopante e que continua a afundar-se economicamente.

Famílias libanesas gastam cinco salários mínimos só para alimentação
Notícias ao Minuto

15:07 - 21/07/21 por Lusa

Mundo Estudo

Segundo o Observatório da Crise da Universidade Americana de Beirute, desde o início da crise, no outono de 2019, a moeda local, a libra libanesa, perdeu no 'mercado negro' mais de 90% do seu valor em relação ao dólar, engolindo o poder de compra e empurrando os preços para níveis sem precedentes. 

"O orçamento apenas para a alimentação de uma família é de cerca de cinco salários mínimos", refere o Observatório, tendo como base os preços médios já neste mês.

A instituição alertou para o facto de a grande maioria das famílias no Líbano poder, em breve, deixar de ter capacidade para garantir o mínimo de alimentação sem recorrer à ajuda de familiares ou de organizações humanitárias.

Além dos gastos com água, eletricidade e gás doméstico, também crescentes, uma família de cinco pessoas gasta agora mais de 3,5 milhões de libras libanesas (1.970 euros) por mês em alimentos, sublinha o Observatório.

A maioria dos residentes é paga na moeda do Líbano, onde o salário mínimo é de 675.000 libras (380 euros). Há cerca de um mês, esse montante representava 450 dólares (382 euros), mas atualmente equivale a apenas a 30 dólares (25,50 euros).

Nesse sentido, alerta o Observatório, mais da metade da população vive hoje abaixo da linha da pobreza, tendo em conta também que o custo dos alimentos aumentou, em média, 700% nos últimos dois anos, podendo o valor subir ainda mais à medida que os preços continuem a bater recordes.

"O preço da cesta básica aumentou mais de 50% em menos de um mês", alerta-se no estudo, sublinhou o diretor do Observatório, Nasser Yassine, para quem a situação é "muito alarmante".

Estamos agora a assistir a um aumento exponencial [nos preços] num curto período de tempo", indicou Yassine à agência noticiosa France-Presse (AFP).

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), em abril deste ano, 77% das famílias já diziam não ter alimentos suficientes ou meios para obtê-los.

Mais de 30% das 1.200 famílias então analisadas pela UNICEF referiram ter pelo menos um filho que "saltou" uma refeição ou foi para a cama com o estômago vazio por falta de alimentos em casa.

A atual subida dos preços é consequência da queda recorde da libra libanesa, mas também está ligada aos receios dos comerciantes de perderem as suas margens de lucro num contexto de alta volatilidade, explicou Yassine.

Gradualmente, nas últimas semanas, o Líbano deixou de subsidiar várias mercadorias básicas, levando os preços dos combustíveis e de medicamentos a disparar.

Com escassez de moeda estrangeira, o Líbano está a fazer esforços para importar combustível suficiente para a indústria, com os cortes de energia a prolongarem-se até 23 horas por dia.

O colapso geral é acentuado pela inércia da liderança, uma vez que o país está sem Governo há 11 meses.

Leia Também: Israel ataca Líbano em retaliação contra foguetes

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório