Meteorologia

  • 24 JULHO 2021
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 26º

Edição

França diz que decisão do presidente turco no Chipre é "uma provocação"

A França considerou hoje uma provocação a decisão "unilateral" do Presidente turco de reabrir a antiga estação balnear de Varosha, símbolo da divisão da ilha do Chipre, e de pressionar uma solução de dois Estados.

França diz que decisão do presidente turco no Chipre é "uma provocação"

"A França lamenta profundamente este passo unilateral e descoordenado, que constitui uma provocação e mina o restabelecimento da confiança necessária para a urgente retoma das negociações com vista a uma resolução justa e duradoura da questão cipriota", assinalou, num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da França.

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, reuniu-se na terça-feira com o seu homólogo cipriota, Nikos Christodoulides, "a pedido deste último, e expressou o seu apoio após os anúncios feitos durante a visita do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan" à autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN), esclareceu o comunicado.

Reafirmando a sua adesão às resoluções das Nações Unidas, a França, que detém a presidência mensal do Conselho de Segurança das Nações Unidas, anunciou que vai "discutir o assunto" hoje nesta instância da ONU.

A França, no entanto, continua presa "ao quadro endossado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, baseado numa federação com duas zonas, oferecendo às duas comunidades todas as garantias de sua igualdade política", acrescentou o Ministério francês.

"Uma solução justa e duradoura apenas pode ser obtida tendo em consideração das realidades da ilha. Nesta ilha, existem dois Estados e dois povos", declarou Erdogan no decurso de uma sessão extraordinária do parlamento da RTCN na segunda-feira.

Diversas iniciativas negociais mediadas pela Nações Unidas têm vindo a fracassar nos últimos anos, e o dirigente da RTCN, Ersin Tatar, próximo de Erdogan, tem vindo a propor, com o apoio de Ancara, uma solução de dois Estados.

"Fornecemos o nosso apoio à proposta [de dois Estados] defendida por Ersin Tatar. Não poderemos fazer qualquer concessão" sobre esta questão, prosseguiu, numa referência ao líder da entidade cipriota turca.

O chefe de Estado turco também afirmou "estar fora de questão perder outros 50 anos" em negociações destinadas a tentar promover a reunificação e voltou a recordar a proposta apresentada há poucos meses em Genebra por Tatar, de "registar primeiro a igualdade soberana do povo cipriota turco e depois promover negociações entre os dois Estados da ilha".

"Não estamos a cobiçar a terra de ninguém. A nossa intenção não é provocar tensão, antes resolver os problemas através do direito, da lei e de uma partilha justa", acrescentou Erdogan.

No entanto, a sugestão de dois Estados tem suscitado uma forte oposição da UE. Em junho, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou que a UE "jamais aceitaria" essa solução.

A Turquia mantém um importante dispositivo militar na RTCN, um território que depende economicamente de Ancara.

Desde a invasão pelo exército turco em 1974 que a ilha está fraturada entre a República de Chipre -- membro da União Europeia (UE) e que exerce a sua autoridade em cerca de 65% do território na parte sul --, e a autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN), anunciada em 1983 e apenas reconhecida por Ancara.

Leia Também: AO MINUTO: "Pandemia não pode desculpar tudo". Protestos no Chipre

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório