Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2021
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 24º

Edição

ONG critica Filipe Nyusi por não informar sobre militares estrangeiros

O Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), organização não-governamental moçambicana, criticou hoje o Presidente da República por não informar o parlamento sobre a entrada de militares do Ruanda para combater grupos armados em Cabo Delgado.

ONG critica Filipe Nyusi por não informar sobre militares estrangeiros
Notícias ao Minuto

13:54 - 12/07/21 por Lusa

Mundo Ataque

"Nem a Assembleia da República, órgão de soberania representativa de todos os moçambicanos, foi informada sobre a vinda de militares estrangeiros" para o norte do país, referiu o CDD, numa nota de análise. 

A organização observa que o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou a chegada de militares e polícias do Ruanda numa parada militar na sua terra natal, no distrito de Mueda, província de Cabo Delgado, para onde será enviado o contingente ruandês. 

Além da presença de tropas ruandesas, o chefe de Estado explicou que a província vai ainda contar com a atuação de militares dos países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC). 

Nyusi fez o anúncio na sexta-feira, já depois de o Governo de Kigali ter divulgado o envio de mil militares e polícias para Moçambique, para o combate "ao terrorismo em Cabo Delgado". 

O anúncio acontece na altura de pausa entre sessões plenárias da Assembleia da República, não tendo sido convocada nenhuma reunião extraordinária para o debate da presença de militares estrangeiros no país. 

Na sua análise, o CDD nota que "até aqui não se sabe quanto tempo irá durar a 'ajuda' [estrangeira] na luta contra o terrorismo e quem vai pagar a fatura". 

O texto assinala que nem a população da província de Cabo Delgado, cujo apoio será fundamental para o sucesso da missão, está devidamente informada sobre a presença de militares estrangeiros no seu território. 

Por outro lado, o CDD entende que a presença de militares ruandeses em Moçambique "acautela" interesses da França, país de origem da multinacional petrolífera TotalEnergies, que lidera o maior investimento privado em África para exploração de gás na zona afetada pelos ataques - investimento suspenso por causa da insegurança.

Grupos armados aterrorizam a província desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 732.000 deslocados, de acordo com a ONU. 

Leia Também: Enviado de Guterres pede apoio para combatentes desmobilizados

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório