Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2021
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Líbano: Washington e Paris consideram todas as opções, insiste a França

Os Estados Unidos e a França estão a considerar todas as opções contra os responsáveis políticos libaneses, incluindo "sanções", para resolver a crise que paralisa o país, declarou hoje um governante francês.

Líbano: Washington e Paris consideram todas as opções, insiste a França
Notícias ao Minuto

17:42 - 30/06/21 por Lusa

Mundo Líbano

"A posição norte-americana creio que é a mesma (que a de Paris), manter a pressão máxima, não descartar qualquer opção, incluindo novas sanções", disse o secretário de Estado para os Assuntos Europeus, Clément Beaune, numa audição no Senado.

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, e o seu homólogo francês, Jean-Yves Le Drian, acordaram na sexta-feira em Paris exercer uma pressão comum sobre os responsáveis pela crise, sem precisar de que forma.

Le Drian evoca regularmente, incluindo a nível europeu, "a possibilidade ou a necessidade de sanções", lembrou Beaune, perante a Comissão dos Assuntos Europeus.

"Não sei se será tomada uma decisão (ao nível da União Europeia), pois é um debate sensível, mas há vontade europeia de examinar possíveis sanções nas próximas semanas e, em todo o caso, de manter a pressão", explicou, adiantando que o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, "trabalha num possível pacote de sanções".

A França, por seu turno, aprovou recentemente restrições de acesso ao seu território contra personalidades libanesas consideradas responsáveis pelo bloqueio, sem revelar a sua identidade.

Antony Blinken, Jean-Yves Le Drian e o seu homólogo da Arábia Saudita, Faisal bin Farhan, apelaram na terça-feira, à margem de uma reunião do G20, aos dirigentes libaneses para ultrapassarem as divergências e tentarem resolver a grave crise económica, financeira e social que o seu país atravessa.

Desde o início da crise no outono de 2019 -- uma das piores no mundo desde 1850 segundo o Banco Mundial -, a libra libanesa perdeu 90% do seu valor em relação ao dólar no mercado negro.

O Líbano sofre com a falta de combustível, medicamentos e produtos essenciais, com o aumento do desemprego e o empobrecimento em grande escala.

Está sem governo há 10 meses, por ausência de um acordo entre os partidos no poder, acusados pela rua de deixarem o país afundar-se.

Os principais apoiantes pedem a Beirute a formação de um novo governo para realizar as reformas estruturais exigidas pela comunidade internacional em troca de mais ajuda.

Leia Também: AO MINUTO: Incidência e Rt a subir; Vacinação drive-thru avança no Porto

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório