Meteorologia

  • 30 JULHO 2021
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

UE considera presidenciais no Peru livres e democráticas

A União Europeia (UE) considerou que as eleições presidenciais no Peru foram livres e democráticas, e expressou confiança na resolução, dentro da legalidade vigente, do conflito entre os dois candidatos.

UE considera presidenciais no Peru livres e democráticas
Notícias ao Minuto

06:57 - 25/06/21 por Lusa

Mundo Peru

A mensagem foi divulgada, na quinta-feira, nas redes sociais da representação da UE no Peru, numa altura em que a candidata de direita Keiko Fujimori, derrotada pelo candidato de esquerda Pedro Castillo, continua a denunciar, sem apresentar provas credíveis, a existência de fraudes.

"Confiamos nas autoridades eleitorais para a solução dos litígios pendentes nos canais legais estabelecidos", indicou a representação, numa referência aos recursos interpostos por Fujimori para anular cerca de 200 mil votos que denunciou como fraudulentos.

Também os Estados Unidos e a Organização dos Estados Americanos (OEA) tinham afastado a possibilidade de fraude nas presidenciais peruanas e felicitaram o país por um processo eleitoral que foi, para o Departamento de Estado norte-americano, "um modelo de democracia na região".

As presidenciais no Peru foram "eleições livres, justas, acessíveis e pacíficas, incluindo no contexto dos imensos desafios colocados pela pandemia de covid-19", acrescentou a administração norte-americana, que concordou que os resultados eleitorais só sejam publicados oficialmente depois de resolvidos todos os recursos.

Também a OEA, com a missão de observação eleitoral mais numerosa entre todos os organismos internacionais que supervisionaram as presidenciais, afirmou não terem existido irregularidades graves.

Fujimori denunciou uma alegada "fraude sistemática" no dia seguinte à votação, quando as primeiras contagens apontavam para uma terceira derrota consecutiva numa segunda volta das presidenciais, depois das registadas em 2011 contra Ollanta Humala e em 2016 contra Pedro Pablo Kuczynski.

A candidata de direita pediu de imediato a anulação de cerca de 200 mil votos das zonas andinas, rurais e pobres do país, onde Castillo ganhou.

Até agora, todos os recursos analisados pelas autoridades eleitorais foram declarados sem fundamento, mas a publicação oficial dos resultados foi suspensa até à conclusão deste processo.

Terminada a contagem das presidenciais, Castillo obteve 50,12% dos votos válidos e mais 44 mil do que Fujimori.

Leia Também: Candidata à Presidência do Peru Keiko Fujimori fica em liberdade

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório