Meteorologia

  • 26 MAIO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 32º

Maioria dos palestinianos sente-se mais representada pelo Hamas

Uma sondagem oficial na Palestina revela hoje que 53% dos palestinianos sentem-se mais bem representados pelo movimento islamita Hamas do que pela Fatah, do Presidente Mahmoud Abbas, que recebeu apenas 14% da preferência dos inquiridos.

Maioria dos palestinianos sente-se mais representada pelo Hamas

O inquérito foi divulgado pelo Centro Palestiniano de Investigação de Políticas e Sondagens e adianta que a percentagem do Hamas subiu na sequência da recente escalada bélica com Israel, em que 77% dos inquiridos considera que o movimento islamita saiu vencedor do conflito registado em maio contra as tropas israelitas em Gaza, enquanto 18% refere que não houve vencedores e 1% que saiu derrotado.

Após dias de confrontos e de um aumento da tensão na zona ocupada de Jerusalém Oriental, desencadeada a 10 de maio e resultado da convocação da polémica "Marcha das Bandeiras" - um desfile ultranacionalista israelita que também foi realizado hoje -, as milícias palestinianas em Gaza lançaram foguetes contra território israelita, a que Israel respondeu com bombardeamentos aéreos, desencadeando uma escalada de 11 dias de guerra.

No conflito, morreram 255 palestinianos na Faixa de Gaza e 13 israelitas.

Em relação à suspensão das eleições palestinianas, prevista para o final de maio, 65% opõe-se à medida decidida pelo Presidente Abbas.

Também 65% acredita que Abbas tomou essa decisão por temer sair derrotado nas urnas pelo Hamas, enquanto 25% opina em favor do adiamento, uma vez que Israel não permitiu a realização de eleições em Jerusalém Oriental.

Se fossem realizadas hoje eleições legislativas com as mesmas fações que participaram na votação de 2006, 41% dos palestinianos votaria a favor do Hamas e 30% na Fatah, enquanto 12% escolheriam outros movimentos, ao mesmo tempo que 17% se mostraram indecisos.

Há três meses, a intenção de voto no Hamas era de 30% e na Fatah 43%. 

No caso de eleições presidenciais com apenas Abbas, representando o Fatah, e Ismail Haniye, o líder do Hamas, como os únicos candidatos, o primeiro receberia 27% dos votos e o segundo 59%. 

Na Faixa de Gaza, Abbas receberia 30% dos votos e Haniye 60%, enquanto na Cisjordânia, obteriam 25% e 59%, respetivamente.

Paralelamente à escalada militar, várias cidades israelitas, bem como em Jerusalém, registaram-se inúmeras ações de protestos de cidadãos árabes israelitas de origem palestiniana.

A esse respeito, 60% dos entrevistados considerou que tal se deveu ao desejo de proteger os lugares sagrados do Islão - em parte, as manifestações começaram devido à presença das forças da ordem israelitas nos arredores da mesquita de Al Aqsa, o terceiro lugar mais sagrado para aquela religião. 

Nesse sentido, 28% dos palestinos acredita que a participação de árabes israelitas nos protestos serviu para expressar a rejeição de sua integração na sociedade israelita, com 10% a acreditar que isso faz parte de sua luta pela igualdade.

Se Israel expulsar famílias árabes do bairro Shaikh Jarrah, na zona ocupada Jerusalém Oriental, ou impuser restrições ao acesso à mesquita de al Aqsa, 68% dos palestinianos acredita que a resposta deveria ser novamente o disparo de foguetes contra as cidades israelitas.

Segundo a sondagem, e também a esse propósito, 18% pensa que deveria recorrer-se a ações de resistência não violentas, enquanto 9% acredita que os palestinianos deveriam apresentar uma queixa na ONU e no Tribunal Penal Internacional (TPI).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório