Meteorologia

  • 28 JULHO 2021
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 29º

Edição

Israel autoriza controversa marcha da extrema-direita em Jerusalém Leste

O novo governo israelita autorizou hoje a controversa marcha de judeus nacionalistas e da extrema-direita em Jerusalém Leste, cuja realização, terça-feira, no setor palestiniano ocupado da Cidade Santa levanta receios de mais violência.

Israel autoriza controversa marcha da extrema-direita em Jerusalém Leste
Notícias ao Minuto

20:29 - 14/06/21 por Lusa

Mundo Israel

Inicialmente marcada para a passada quinta-feira, a marcha foi adiada para terça-feira pelo governo de Benjamin Netanyahu, apesar das ameaças do movimento islâmico palestino Hamas de uma nova escalada, se a manifestação fosse mantida. 

Israel tem um novo governo, liderado pelo líder nacionalista de direita Naftali Bennett, que se aliou ao centrista Yair Lapid numa coligação que pôs fim a 12 anos de governo ininterrupto de Netanyahu. 

Hoje à noite, o novo ministro da Segurança Interna israelita, Omer Bar-Lev, decidiu manter a manifestação.

"A polícia está pronta e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para preservar o delicado tecido da coexistência", indicou, num comunicado ministerial.

Depois da entrada em funções do novo governo, os organizadores receavam a proibição da marcha, mas o ministro sustentou que as manifestações "são um direito de todos em democracia".

A "marcha das bandeiras", a convite de várias figuras da extrema-direita nacionalista israelita, em particular do deputado Itamar Ben Gvir, tem previsto reunir centenas de pessoas na Cidade Velha de Jerusalém. 

O percurso da marcha, entretanto, foi estabelecido após negociações entre a organização e a polícia israelita na esperança de evitar confrontos com os palestinianos.

A marcha visa marcar o "Dia de Jerusalém", em que os israelitas comemoram a "reunificação" da cidade, em 1967. No entanto, para os palestinianos, a data simboliza a conquista e anexação de Jerusalém Oriental.

A marcha deveria ter-se realizado a 10 de maio, mas foi cancelada na sequência das tensões em Jerusalém Oriental, cenário em maio de violentos protestos contra a colonização israelita e que desencadeou uma guerra de 11 dias entre o Hamas e Israel. 

Na semana passada, o Hamas, que governa de facto em Gaza, "advertiu" Israel para uma retaliação se a marcha se aproximar do setor palestiniano de Jerusalém, incluindo a Esplanada das Mesquitas, o terceiro local mais sagrado do Islão.

Leia Também: Hamas convoca Dia da Ira para amanhã em resposta a marcha israelita

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório