Meteorologia

  • 24 JULHO 2021
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 26º

Edição

Human Rights Watch pede libertação imediata de Aung San Suu Kyi

A organização não-governamental Human Rights Watch considera "pouco provável" que o julgamento Aung San Suu Kyi seja justo e pede a libertação imediata da líder deposta de Myanmar, antiga Birmânia.

Human Rights Watch pede libertação imediata de Aung San Suu Kyi
Notícias ao Minuto

08:25 - 14/06/21 por Lusa

Mundo Myanmar

O julgamento da dirigente da Liga Nacional para a Democracia começa hoje em Naipyitaw, a capital administrativa de Myanmar.

Phil Robertson, subdiretor da Human Rights Watch (HRW) para a Ásia criticou através de um comunicado que as restrições impostas fazem com que Aung San Suu Kyi seja impedida de aceder aos advogados num tribunal controlado pela Junta Militar. 

"É pouco provável que tenha um julgamento justo", disse Robertson. 

"As acusações contra Aung San Suu Kyi são falsas e têm motivação política com vista a anular os resultados eleitorais alcançados em novembro de 2020 impedindo-a que se apresente outra vez. Todas as acusações deveriam ser retiradas", afirmou acrescentando que a dirigente política deve ser libertada "imediatamente e incondicionalmente".

Além de Aung San Suu Kyi, 75 anos, vão também ser julgados o ex-presidente da Birmânia, Win Myin, e o ex-governador da capital, Myo Aung.  

A antiga conselheira de Estado e ministra dos Negócios Estrangeiros é acusada de não respeitar as normas de segurança estabelecidas para combater a propagação da pandemia de covid-19, podendo ser condenada a três anos de prisão.

Aung San Suu Kyi é também acusada de incitação à mobilização pública, importação ilegal de dispositivos eletrónicos de telecomunicações e de violação da lei das Telecomunicações.

Para Robertson, a Junta Militar vai continuar a acumular casos adicionais contra a dirigente de Myanmar para neutralizar a atividade política da Liga Nacional para a Democracia "para que não possa desafiar o regime militar".

O Exército de Myanmar justifica o golpe de Estado, do passado dia 01 de fevereiro, declarando que ocorreram fraudes eleitorais nas eleições do passado mês de novembro cuja vitória foi alcançada pela Liga Nacional para a Democracia. 

Leia Também: Myanmar: Junta militar detém ex-chefe da vacinação contra a covid-19

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório