Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Pashinian propõe a Baku trocar o seu filho por presos arménios

O primeiro-ministro da Arménia, Nikol Pashinian, propôs a Baku trocar o seu filho Ashot pelos prisioneiros arménios que o Azerbaijão retém desde o final da guerra em Nagorno-Karabakh em novembro passado.

Pashinian propõe a Baku trocar o seu filho por presos arménios
Notícias ao Minuto

12:38 - 09/06/21 por Lusa

Mundo Arménia

"Encarreguei os organismos competentes de proporem oficialmente à parte azeri que o meu filho seja entregue como refém a Baku em troca dos nossos prisioneiros", disse Pashinian num evento eleitoral na região de Shirak, no norte do país, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

As declarações de Pashinian, divulgadas no jornal digital arménio Mamul.am, foram feitas depois de o ex-Presidente Serzh Sarkissian ter criticado o primeiro-ministro em funções pela lentidão no processo de devolução dos prisioneiros arménios e sugerido que tal não aconteceria se se tratasse do seu filho.

O filho de Pashinian, que no ano passado lutou na guerra de Nagorno-Karabakh, também se declarou disposto a entregar-se ao Azerbaijão se Baku prometer devolver os detidos arménios.

"Estou disposto a partir para o Azerbaijão em troca do regresso dos prisioneiros de guerra e de pessoas detidas com outro estatuto", escreveu Ashot Pashinian na rede social Facebook.

Em maio, mais de 120 eurodeputados enviaram uma carta conjunta aos presidentes do Conselho e da Comissão Europeia, Charles Michel e Ursula von der Leyen, respetivamente, pedindo que intercedessem pelos prisioneiros de guerra arménios ainda detidos no Azerbaijão.

O porta-voz do Serviço Europeu de Ação Externa, Peter Stano, por seu turno, pediu no passado dia 28 ao Azerbaijão a "libertação imediata" dos prisioneiros de guerra e no mesmo dia foi feito o mesmo pedido pela embaixada dos Estados Unidos em Baku, através da rede social Twitter.

O último conflito armado entre a Arménia e o Azerbaijão, com um balanço de mais de 5.000 mortos, durou seis semanas e o acordo de cessar-fogo determinou a entrega por Erevan de vários territórios ocupados desde a guerra entre 1992 e 1994.

A Arménia realiza a 20 de junho eleições legislativas antecipadas e uma sondagem recente dá o primeiro lugar à formação de Pashinian, Partido do Contrato Civil, com 22,4% dos votos, seguida pela coligação Arménia, liderada pelo seu principal rival, o ex-presidente Robert Kocharian, com 20,6%.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório