Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2021
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 28º

Edição

Exploração de migrantes pela indústria pesqueira mancha imagem de Taiwan

A lucrativa indústria pesqueira de Taiwan tem sido acusada de explorar e abusar dos migrantes, um sério golpe para a imagem da ilha como modelo de democracia na região.

Exploração de migrantes pela indústria pesqueira mancha imagem de Taiwan
Notícias ao Minuto

07:01 - 14/05/21 por Lusa

Mundo Golpe

Os barcos estão no mar durante meses ou mesmo anos.

A bordo, uma maioria de migrantes das Filipinas, Indonésia ou Vietname que labutam por um salário miserável, por vezes sob espancamentos, alguns acabam mesmo mortos, no fundo do oceano, de acordo com testemunhas, ouvidas pela agência noticiosa France-Presse (AFP).

Em 2020, Washington listou pela primeira vez os peixes capturados em águas profundas pelas frotas taiwanesas na lista de produtos de trabalho forçado, um rude golpe para Taiwan, que afirma ser uma das democracias mais progressistas da região.

Mas as condições de trabalho na indústria de três mil milhões de dólares (2,5 mil milhões de euros) não melhoraram: os pescadores entrevistados pela AFP dizem que trabalham em média 21 horas por dia, são intimidados tanto física como verbalmente, e não têm qualquer contacto com o mundo exterior, especialmente com familiares.

Supri, que como muitos indonésios tem apenas um nome, ainda está traumatizado pela sua provação num barco taiwanês.

Desde o início desagradou ao capitão, que chegou ao ponto de o trancar num frigorífico e ordenar a um membro da tripulação que o alvejasse com uma arma paralisante.

"Eu não queria morrer. Queria voltar a ver a minha família", disse à AFP.

De acordo com um inquérito realizado em 2020 aos pescadores indonésios pela organização não-governamental (ONG) Fundação para a Justiça Ambiental, cerca de um quarto dos pescadores disse ter sido abusado fisicamente em barcos de pesca taiwaneses, 82% referiu horas excessivas e 92% teve os salários retidos.

Mohamad Romdoni, um ativista desta organização na Indonésia, descreve as condições de trabalho como "terríveis", embora ligeiramente melhores do que na frota chinesa, a maior do mundo.

"É semelhante à escravatura moderna", acusa Edwin Dela Cruz, presidente do International Seafarers' Action Center, uma ONG sediada em Manila.

Quando Marcial Gabutero, um filipino, regressou a casa após uma longa estadia no mar, a mulher tinha-o abandonado e a agência que o contratou recusou-se a pagar-lhe mais de 80% do seu magro salário mensal de 250 dólares.

Com 27 anos, disse ter sido frequentemente espancado com um pau de vassoura. "Estávamos impotentes e tivemos de aguentar até ao fim do contrato", recordou.

O Grupo de Trabalho Seafood, um grupo de ONG que controla os abusos no setor, estima que 23.000 pessoas trabalham nestes navios.

No início deste ano, recomendou que Washington desclassificasse Taiwan no seu relatório anual sobre tráfico humano, citando deduções salariais, trabalhos forçados, assassínios e o desaparecimento de pescadores migrantes no mar.

As piores práticas têm sido observadas em barcos de Taiwan que pescam no alto mar fora das águas territoriais da ilha.

O organismo da indústria pesqueira de Taiwan diz que não "permite o trabalho forçado ou o tráfico de pessoas" e está a trabalhar para alterar os regulamentos.

O departamento governamental responsável pelo setor reconheceu que, embora estivesse ciente do abuso, o Ministério das Pescas não tinha tomado qualquer medida.

Allison Lee, secretária-geral do primeiro sindicato de pescadores migrantes em Taiwan, disse que falta ao Governo a vontade de enfrentar o problema.

Os trabalhadores migrantes morreram em barcos, muitas vezes em circunstâncias suspeitas.

Em 2015, a morte de um homem indonésio, Supriyanto, causou um protesto internacional.

Em 2019, um pescador indonésio de 19 anos de idade morreu em condições semelhantes.

"O capitão envolveu o corpo do meu amigo morto com um cobertor antes de o colocar num congelador", disse um membro da tripulação à Greenpeace, sob a condição de não ser identificado.

Leia Também: EUA apoiam entrada de Taiwan na Assembleia Mundial de Saúde

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório