Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2021
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Líbia. MNE diz que Líbia não será guardiã fronteiriça da Europa

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Líbia, Najla Al-Mangoush, declarou hoje que o seu país não está disposto a tornar-se o guardião da fronteira sul da Europa.

Líbia. MNE diz que Líbia não será guardiã fronteiriça da Europa
Notícias ao Minuto

15:47 - 10/05/21 por Lusa

Mundo Líbia

"A Líbia não servirá como guardiã das fronteiras da Europa, mas também não pode servir como uma rota (de fuga) para os africanos que sofrem opressão e miséria", disse Al-Mangoush, citada hoje pela imprensa local.

A ministra líbia também instou a União Europeia a entregar, o mais rapidamente possível, a ajuda à segurança nas fronteiras a que se comprometeu.

Najla Al-Mangoush exortou também aos Estados do Sahel a redobrarem os seus esforços para impedir as redes de contrabando de armas, pessoas, combustível e outros produtos e, assim, desmantelar a economia paralela que domina a região.

O objetivo é "devolver a dignidade ao povo", sublinhou, antes de anunciar que enviaria ao parlamento líbio uma proposta para a promoção de uma lei que permita punir os traficantes e os seus cúmplices.

"Pedimos aos países vizinhos que façam o mesmo e detenham os seus cidadãos", acrescentou, referindo ainda a necessidade de que todos os mercenários estrangeiros que chegaram durante a guerra civil - a maioria deles russos e sírios, mas também muitos chadianos, sudaneses, árabes, europeus e de outras nações da África Subsaariana -- saiam da Líbia.

Num discurso feito durante a sua visita à cidade de Qatarum, no sul, e à passagem de fronteira de Al-Tom, que separa a Líbia do Níger, a chefe da diplomacia líbia do Governo de Acordo Nacional (GAN) anunciou que viajará nos próximos meses aos países vizinhos para promover a criação de um mecanismo regional comum contra todos os tipos de contrabando.

A Líbia é um Estado falido, vítima do caos e da guerra civil, após a queda em 2011 do regime do Presidente Muammar Khadafi.

Desde março passado, o poder está nas mãos do GAN - eleito pelo Fórum para o Diálogo Político da Líbia (FDPL), um órgão criado pela ONU -- que deve unificar o país, manter o cessar-fogo e liderá-lo até as eleições legislativas marcadas para 24 de dezembro.

Nos últimos cinco anos, a Líbia tornou-se um local de contrabando e o motor de uma economia paralela no Norte de África e no Sahel, que prospera com a venda ilegal de combustível, armas e alimentos, empregando milhares de pessoas e tornando as suas costas a principal via para a migração irregular no Mediterrâneo Central, a rota de migração mais mortal do mundo.

Leia Também: Seis pessoas mortas em naufrágio de barco ao largo da costa da Líbia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório