Meteorologia

  • 04 AGOSTO 2021
Tempo
28º
MIN 19º MÁX 28º

Edição

Países árabes condenam violência israelita em Jerusalém

ários países árabes, incluindo algumas que recentemente normalizaram relações com Israel, denunciaram hoje as ações do Estado hebreu em confrontos entre palestinianos e forças de segurança israelitas, que deixaram centenas de feridos este fim-de-semana em Jerusalém Oriental.

Países árabes condenam violência israelita em Jerusalém
Notícias ao Minuto

21:09 - 09/05/21 por Lusa

Mundo Israel

Os confrontos durante várias noites na Esplanada das Mesquitas em Jerusalém Oriental entre a polícia israelita e palestinianos são considerados os maiores desde 2017, quando Israel decidiu colocar detetores de metais na entrada do local, para depois desistir da ideia.

Os palestinianos protestam há vários dias contra a possibilidade de várias famílias palestinianas virem a ser despejadas das suas casas em Jerusalém Oriental - numa área da cidade ocupada e anexada por Israel - em favor de colonos israelitas.

As críticas a Israel vieram do Sudão, Marrocos, Emiratos Árabes Unidos e Bahrein, que anunciaram em 2020 a normalização das suas relações com o Estado judaico.

A Argélia, apoiante da causa palestiniana, também manifestou descontentamento.

Cartum considerou as medidas tomadas contra os palestinianos em Jerusalém como "repressão" e "ação coerciva", numa declaração divulgada no sábado à noite pelo ministério sudanês dos Negócios Estrangeiros.

O Sudão exortou o governo israelita a "abster-se de tomar medidas unilaterais que diminuam as hipóteses de retomar as negociações de paz".

Os Emirados e o Bahrein condenaram a rusga das forças de segurança israelitas na sexta-feira na mesquita de Al-Aqsa e a repressão contra os fiéis palestinianos que procuravam abandonar o local.

Abu Dhabi apelou às autoridades israelitas para "assumirem a responsabilidade de reduzir" os níveis de violência em torno da Esplanada das Mesquitas, o terceiro local mais sagrado do islão e local sagrado para os judeus.

Manama, pelo seu lado, instou o governo israelita a "pôr fim às provocações contra os habitantes de Jerusalém".

A Argélia condenou hoje os "ataques racistas e extremistas registados na cidade ocupada de Al-Quds (Jerusalém em árabe) contra civis palestinianos e a privação da liberdade de culto na Mesquita de Al-Aqsa".

Numa declaração divulgada pelo Ministério argelino dos Negócios Estrangeiros, a Argélia "apela à comunidade internacional, incluindo o Conselho de Segurança das Nações Unidas, para que atue urgentemente no sentido de proporcionar a proteção necessária ao povo palestiniano e aos seus lugares sagrados e de pôr fim a estes atos criminosos e à política de ocupação israelita dos territórios palestinianos".

Marrocos fez também hoje saber que está a acompanhar a situação de violência com "profunda preocupação", acrescentando que o Rei Maomé VI considera "inadmissíveis" "estas violações, que alimentam tensões".

Leia Também: Dois foguetes foram lançados desde Gaza contra Israel

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório