Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2021
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Pelo menos um manifestante morto no nordeste de Myanmar

Pelo menos uma pessoa morreu e outra ficou ferida no nordeste de Myanmar (antiga Birmânia) depois das forças de segurança terem disparado numa manifestação contra o golpe de Estado, noticiaram hoje meios de comunicação locais.

Pelo menos um manifestante morto no nordeste de Myanmar
Notícias ao Minuto

09:48 - 02/05/21 por Lusa

Mundo Golpe

A morte do manifestante ocorreu depois do chefe da junta militar, Min Aung Hlaing, ter chegado a um acordo no sábado da semana passada para pôr fim à violência, entre outros pontos, durante uma reunião com os líderes da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), da qual a Myanmar faz parte.

As autoridades abriram hoje fogo sobre um protesto na cidade de Hsipaw, no nordeste do Estado de Shan, relata o portal Khit Thit Media, acompanhando as notícias com fotos e vídeos do incidente.

Durante a repressão das forças de segurança, uma bala atingiu a cabeça de um jovem birmanês, que perdeu a vida, de acordo com os meios de comunicação social, que referem que outro jovem foi levado de ambulância com um ferimento de bala.

Apesar do compromisso diante dos líderes regionais, Min Aung Hlaing recuou dias depois e disse que dará prioridade à "manutenção da lei e da ordem" e à "estabilidade" antes de "considerar" a cessação das hostilidades, de acordo com um discurso publicado pelo órgão pró-governamental The Global new Light of Myanmar.

Pelo menos 759 pessoas morreram desde a revolta de 01 de fevereiro na repressão das forças de segurança contra o comando militar, segundo números da Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP) em Myanmar.

A AAPP também informa que a junta militar tem detidas mais de 4.500 pessoas, incluindo a líder deposta Aung San Suu Kyi, e emitiu mandados de prisão para mais 1.300 pessoas por fazerem parte do movimento de desobediência civil.

A violência e a intimidação, no entanto, não conseguiram parar as manifestações contra o comando militar que continuam diariamente em cidades como Rangum, Mandalay ou Meikhtila, mais de três meses depois do golpe de Estado.

O exército birmanês justifica o golpe com uma alegada fraude eleitoral nas eleições de novembro passado.

Leia Também: Myanmar: Reunião do Conselho de Segurança sem declaração conjunta

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório