Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2021
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Myanmar: Grupo armado Karen toma base militar no sudeste do país

Uma das principais fações rebeldes Karen de Myanmar contra a Junta Militar no poder no país desde o golpe de Estado tomou hoje uma base do Exército aumentando os receios de um novo ciclo de violência.  

Myanmar: Grupo armado Karen toma base militar no sudeste do país
Notícias ao Minuto

08:48 - 27/04/21 por Lusa

Mundo Golpe

As tensões entre os militares e vários grupos étnicos do país intensificaram-se após o golpe de Estado do passado dia 01 de fevereiro.

Padoh Saw Taw Nee, um dos responsáveis pelas forças da União Nacional Karen (KNU), disse à France Presse que um posto situado no Estado de Karen (sudeste) foi tomado não tendo precisado se registaram vítimas. 

O porta-voz da Junta Militar, Zaw Min Tun, confirmou o ataque frisando que a KNU está na origem do assalto contra a Brigada 05, no Estado de Karen.

No final do mês de março, a KNU atacou uma outra base militar abatendo 10 soldados. 

A Junta Militar respondeu com bombardeamentos aéreos contra as bases dos grupos armados na região Karen provocando pelo menos 24 mil deslocados internos. 

Após a independência da antiga Birmânia, em 1948, numerosas fações étnicas estão em conflito com os governos centrais para conseguirem mais autonomia, acesso às riquezas naturais ou controlo sob o tráfico de estupefacientes. 

Por outro lado, o autodenominado Governo de Unidade Nacional de Myanmar, formado por representantes que se opõem à Junta Militar acusou hoje o Exército de contrariar os compromissos que tinha estabelecido ao instigar atos de violência contra civis e "provocar" manifestantes pacíficos.  

Mahn Winn Khaing Thann, primeiro-ministro do governo sombra afirmou através de um comunicado que no sábado o general golpista Min Aung Hlaing comprometeu-se perante os líderes da Associação dos Países do Sudeste Asiático (ASEAN), reunidos em Jacarta, a terminar a violência contra civis. 

A denúncia de Thann é acompanhada pela organização não-governamental Human Rights Fundation of Monland que indicou que pelo menos uma manifestante foi morta segunda-feira pelos disparos das forças de segurança e que várias pessoas foram presas na localidade de Nyaungshwe, no Estado de Shan.

Hoje, a Junta Militar referindo-se à cimeira de Jacarta disse que apenas vai cumprir os pontos alcançados no encontro da ASEAN - incluindo o fim da violência contra civis - "quando o país regressar à normalidade". 

Apesar de ter considerado as sugestões dos países da ASEAN, a Junta Militar diz agora que as prioridades dos militares "são a manutenção da lei e da ordem e o restabelecimento da paz e a tranquilidade entre a comunidade".

Entretanto, grupos de direitos humanos exigem a libertação imediata de mais de três mil pessoas que se encontram presas desde o golpe militar. 

Leia Também: Myanmar: Líderes do sudeste asiático exigem fim da violência

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório