Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2021
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

EUA anunciam 79,3 milhões para resposta humanitária no Sudão do Sul

Os Estados Unidos da América anunciaram hoje que vão apoiar a resposta à emergência humanitária no Sudão do Sul com cerca de 95 milhões de dólares (79,3 milhões de euros), pretendendo assistir os refugiados e deslocados internos neste país.

EUA anunciam 79,3 milhões para resposta humanitária no Sudão do Sul
Notícias ao Minuto

16:09 - 15/04/21 por Lusa

Mundo EUA

"Este fundo vai fornecer proteção, oportunidade económica, abrigo, assistência médica fundamental, apoio alimentar de urgência, fornecimento de água potável, saneamento e serviços de higiene fundamentais para quase quatro milhões de refugiados e deslocados internos no Sudão do Sul", refere uma nota do Departamento de Estado norte-americano.

Deste valor, cerca de 53 milhões de dólares (44,3 milhões de euros) serão atribuídos através da agência norte-americana para o Desenvolvimento Internacional e perto de 43 milhões de dólares (35,9 milhões de euros) pelo Departamento de Estado, pretendendo apoiar o país que abriga também comunidades de Uganda, Sudão, Etiópia, Quénia e República Democrática do Congo (RDCongo).

Com este valor, a administração norte-americana eleva para 482 milhões de dólares (402,5 milhões de euros) o total alocado para ajuda humanitária desde o início do ano.

"Inundações, violência política e falta de uma governação eficaz nos últimos anos arruinaram o sustento, provocaram mais deslocados sul-sudaneses e destacaram a insegurança alimentar" no país, algo agravado pela pandemia de covid-19 e pelo conflito no país.

Washington insta os doadores e o Governo sul-sudanês a trabalhar em conjunto com as Nações Unidas e com a comunidade internacional para "apoiar a resposta humanitária" no país.

Apesar de considerar que "a assistência humanitária não vai salvar o país", o Departamento de Estado norte-americano sublinha que "é vital para manter os civis vivos", concluindo que "a vontade política e soluções políticas são a única forma de pôr um fim ao sofrimento do povo sul-sudanês.

O Sudão do Sul, com maioria de população cristã, obteve a sua independência ao separar-se do Norte árabe e muçulmano em 2011. No entanto, a partir do final de 2013, o país entrou num conflito civil, provocado pela rivalidade entre o Presidente, Salva Kiir, e o seu então vice-presidente, Riek Machar, e que resultou na morte de mais de 380 mil pessoas.

As partes formaram um Governo de unidade nacional em 2016, que caiu poucos meses após a formação devido a um reinício da violência, tendo essa sido a primeira tentativa de pacificação do jovem país africano.

Em fevereiro do ano passado, Kiir e Machar oficializaram uma reconciliação, estabelecendo um Governo conjunto no mês seguinte.

Leia Também: Guterres quer continuar missão até acordo entre Sudão e Sudão do Sul

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório