Meteorologia

  • 18 MAIO 2021
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 24º

Edição

Indígenas exigem garantias de vida diante de "assassínios"

Os líderes indígenas da bacia amazónica (Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Bolívia, Equador, Guiana e Suriname) exigiram hoje aos Governos dos seus países garantias à vida dos membros das comunidades nativas após mais de 600 assassínios desde 2014.

Indígenas exigem garantias de vida diante de "assassínios"
Notícias ao Minuto

18:47 - 14/04/21 por Lusa

Mundo Bacia Amazónica

"Que exista um plano de vida para a Amazónia. Não há um plano de vida para a Amazónia, que haja um plano de ação urgente para defender a vida dos nossos irmãos e irmãs", disse o coordenador geral das Organizações Indígenas da Bacia Amazónica, José Gregorio Díaz Mirabal, em conferência de imprensa.

Mirabal indicou que o apelo é dirigido à Organização das Nações Unidas (ONU), à Organização dos Estados Americanos (OEA), à Corte [Tribunal] Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), mas "sobretudo" aos Governos dos seus países.

O coordenador garantiu que desde 2014, até este ano, contabilizam-se "mais de 630 irmãos assassinados".

"Claro que não vão obter dados em nenhum país, não vão conseguir dados em nenhum Ministério da Saúde, Educação, Justiça, por isso fazemos um chamamento a todas as instituições globais que têm de defender os nossos direitos", afirmou.

José Gregorio Díaz Mirabal ressaltou que, até ao momento, não existe um mecanismo "verdadeiro" e "eficaz" que lhes permita defender os seus direitos.

Por sua vez, o presidente da Organização Regional Aidesep Ucayali, do povo Ashaninka do Peru, Jiribati Ashaninka, indicou que, desde 2013, nove lideranças indígenas foram assassinadas e especificou que os dois últimos assassínios ocorreram porque estavam a defender os seus territórios.

Jiribati afirmou que ele próprio recebeu ameaças de morte, embora não tenha especificado por parte de quem.

"Precisamos que se investiguem todos os casos de homicídio na Amazónia que ficaram impunes, (...) precisamos, urgentemente, de um plano de titulação dos nossos territórios", acrescentou, destacando a importância de respeitar as leis de origem.

O coordenador de direitos humanos da Organização dos Povos Indígenas da Amazónia Colombiana, Oscar Daza, também denunciou que no seu país ocorreram, desde o início do ano, 46 assassínios, dos quais 16 são indígenas.

"É uma situação grave (...). Não podemos continuar sendo vítimas de quem deseja ativar ou promover o narcotráfico", disse Daza, destacando que o Estado colombiano não está a dar garantias aos povos indígenas.

Os líderes destacaram que as suas comunidades são afetadas pelo narcotráfico, desflorestação, presença de militares "regulares e irregulares", mineração ilegal e pela pandemia de covid-19.

Leia Também: Amazónia perdeu 2,3 milhões de hectares em 2020, o terceiro pior registo

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório