Meteorologia

  • 14 MAIO 2021
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Nuclear? Khamenei recusa conversações "que se eternizem"

O guia supremo do Irão, ayatollah Ali Khamenei, considerou hoje que as negociações de Viena destinadas a reativar o acordo sobre o nuclear iraniano não devem "eternizar-se" porque seria "prejudicial" para o Irão.

Nuclear? Khamenei recusa conversações "que se eternizem"
Notícias ao Minuto

17:57 - 14/04/21 por Lusa

Mundo Nuclear

"Devemos estar atentos para que as negociações não se tornem erosivas. Não devem tornar-se numa forma para que certas partes prolonguem [as conversações], porque isso seria prejudicial para o país", declarou o líder espiritual iraniano num discurso transmitido pela televisão estatal.

O guia supremo emitiu estas declarações em pleno período de tensões em torno da questão do nuclear iraniano.

Ali Khamenei deu o seu acordo às discussões de Viena, mas fixou como condição, e para que o Irão regresse à estrita aplicação do texto, que Washington levante previamente todas as sanções norte-americanas aplicadas ao Irão desde 2018 -- logo após a retirada unilateral dos EUA deste acordo decidida pelo ex-Presidente Donald Trump -- e possa ser verificada a sua efetividade.

As negociações de Viena decorrem entre os Estados que ainda integram o acordo de 2015 (Alemanha, China, Rússia, França, Reino Unido e Irão), sob a égide da União Europeia (UE), garante do acordo.

Os Estados Unidos estão associados, mas indiretamente, com Teerão a recusar qualquer contacto direto, pelo menos até ao levantamento das sanções.

Khamenei repetiu que não acredita nas "promessas" dos europeus e que desconfia das promessas dos norte americanos "como da peste"

O Irão justificou ainda hoje a decisão de enriquecer urânio a 60% como resposta ao "terrorismo nuclear" e à "maldade" israelita, referindo-se ao alegado ataque contra a central de Natanz, no domingo.

"A decisão de enriquecer a 60% é a resposta à maldade", declarou o Presidente iraniano, Hassan Rohani, no Conselho de Ministros.

"O que vocês fizeram é 'terrorismo nuclear', o que nós fazemos está dentro da legalidade", afirmou referindo-se a Israel.

"Vocês não podem conspirar contra o Irão (...) nós vamos cortar-vos as mãos por cada crime, para que compreendam que não podem impedir-nos (de aceder) à tecnologia nuclear", disse ainda Rohani.

Teerão anunciou na terça-feira que vai aumentar o limite máximo para as atividades de enriquecimento de urânio (isótopo 235) de 20% para 60%, aproximando-se dos 90% necessários para ser utilizado para fins militares.

Hassan Rohani reafirmou hoje que as ambições nucleares do Irão são "pacíficas e apenas pacíficas".

De acordo com o representante permanente do Irão junto da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Kazem Gharibabadi, os preparativos para dar início à decisão estão em curso e a produção pode mesmo começar "na próxima semana", no Irão.

Numa reação a esta decisão, a França, Alemanha e Reino Unido consideraram hoje que o anúncio do Irão de enriquecer urânio a 60% constitui um "desenvolvimento grave" e um passo "contrário ao espírito" das discussões em Viena.

"Trata-se de um desenvolvimento grave porque a produção de urânio altamente enriquecido constitui uma etapa importante para a produção de uma arma nuclear", o que é "contrário ao espírito construtivo e à boa-fé destas negociações", declararam os porta-vozes dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros dos três países, signatários do acordo de 2015.

No domingo, uma explosão atingiu a fábrica de enriquecimento de urânio no complexo nuclear de Natanz e o Irão acusou Israel de sabotagem.

De acordo com o jornal New York Times, os israelitas estão implicados na operação que introduziu "clandestinamente" um engenho explosivo no interior da fábrica e que foi acionado de forma remota.

A explosão em Natanz veio abalar as tentativas negociais de Viena sobre um acordo e criticado desde o primeiro dia pelo primeiro-ministro de Israel.

Para Benjamin Netanyahu, o Irão representa uma ameaça "à existência" do Estado de Israel, uma potência nuclear não assumida, e acusa Teerão de querer construir secretamente a bomba atómica.

Leia Também: AIEA inspecionou complexo de Natanz afetado por explosão

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório