Meteorologia

  • 28 OUTUBRO 2021
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

EUA prontos para continuar negociações com Teerão apesar das provocações

A Casa Branca manifestou-se hoje disponível para prosseguir as negociações com o Irão, apesar de Teerão ter anunciado que vai enriquecer o urânio até aos 60%, nível próximo de o tornar apto para utilização militar.

EUA prontos para continuar negociações com Teerão apesar das provocações

"É claro que estamos preocupados com esses anúncios provocativos. Mas temos a convicção de que a via diplomática é a única forma de se avançar e que o diálogo, mesmo indireto, é a melhor forma de se chegar a uma solução", disse a porta-voz da Casa Branca Jen Psaki.

Dois dias depois da alegada sabotagem em instalações de enriquecimento em Natanz, que Teerão atribui a Israel, o ministro adjunto dos Negócios Estrangeiros iraniano, Abbas Araghchi, citado pela agência noticiosa oficial Irna, anunciou hoje que o Irão vai começar a enriquecer urânio a 60%.

Araghchi garantiu que a intenção de Teerão foi comunicada numa carta a Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), facto já confirmado pela organização com sede em Viena.

Na carta enviada a Grossi, Araghchi declara que mil novas centrifugadoras, com uma capacidade 50% superior, irão reforçar as existentes em Natanz e substituirão as máquinas estragadas" pela explosão ocorrida no domingo neste complexo nuclear no centro do Irão, adianta a Irna.

Segundo a AIEA, Rafael Grossi já informou os Estados membros da decisão iraniana, numa altura em que também decorrem negociações, na capital austríaca, para tentar salvar o acordo sobre o programa nuclear iraniano.

Atualmente o Irão enriquece urânio a 20%, muito além do limite de 3,67% que lhe é imposto pelo acordo nuclear com as grandes potências assinado em Viena em 2015.

Uma refinação de 60% colocará a República Islâmica em posição de passar rapidamente para os 90% necessários a uma utilização do minério para fins militares.

A Irna não precisou em que data começará a ser aplicada a medida, mas segundo a PressTV, canal de informação em inglês da televisão estatal, tal acontecerá a partir de quarta-feira.

A decisão de Teerão foi condenada pela França, que a considera um "desenvolvimento grave" que "necessita de uma resposta coordenada" dos países envolvidos nas negociações.

"Este é um desenvolvimento grave, que condenamos e que exige uma resposta coordenada" da França, Alemanha e Reino Unido com os EUA, Rússia e China, afirmou a presidência francesa, precisando que essa coordenação está "em curso".

As discussões para salvar o acordo, que deveriam ser retomadas quarta-feira em Viena, foram adiadas para o dia seguinte, indicou fonte diplomática russa.

O anúncio de Teerão marca um significativo agravamento da situação e, segundo a agência noticiosa norte-americana Associated Press, pode resultar em ações por parte de Israel - cujo primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, prometeu nunca permitir que Teerão obtivesse a arma nuclear - e aumentar as tensões no Médio Oriente.

A República Islâmica sempre negou pretender obter a arma nuclear, argumentando com proibições morais e religiosas.

O Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), como é designado, foi assinado em Viena em 2015 entre o grupo dos 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China - mais a Alemanha) e o Irão. Teerão aceitava limitações ao seu programa nuclear em troca do levantamento de sanções internacionais.

Em 2018, os Estados Unidos abandonaram o acordo e restabeleceram duras sanções à República Islâmica, que, um ano depois, começa gradualmente a infringir os limites estabelecidos pelo pacto.

Leia Também: Irão vai começar a enriquecer urânio a 60%

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório