Meteorologia

  • 09 DEZEMBRO 2021
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

Turquia e Líbia reafirmam acordo de fronteiras marítimas contestado

O presidente da Turquia e o primeiro-ministro da Líbia reafirmam hoje o acordo sobre fronteiras marítimas entre os dois países, que é contestado por Grécia e Chipre. 

Turquia e Líbia reafirmam acordo de fronteiras marítimas contestado
Notícias ao Minuto

23:43 - 12/04/21 por Lusa

Mundo Turquia e Líbia

Segundo o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que hoje esteve reunido com o primeiro-ministro líbio, Abdelhamid Dbeibah, ambos "renovaram a determinação" em relação ao acordo de 2019.

Em declarações à imprensa após o encontro, Dbeibah afirmou que acordo sobre fronteiras marítimas "apoia-se em bases válidas e serve os interesses dos dois países". 

A assinatura pela Turquia de um acordo com o Governo de Tripoli em 2019 para delinear as fronteiras marítimas entre os dois países, suscitou fortes protestos da Grécia e Chipre.

Os dois países denunciaram o acordo, que consideram uma séria violação da lei internacional e contra os direitos dos restantes países do Mediterrâneo Oriental.

Dbeibah tem ainda tentado estabelecer uma solução de equilíbrio entre a Turquia e a Grécia, na sequência das preocupações de Atenas sobre o acordo marítimo que os responsáveis de Tripoli estabeleceram com a Turquia.

O primeiro-ministro líbio disse que o seu Governo pretende estabelecer um comité líbio-grego para o reinício das negociações destinadas a estabelecer uma fronteira marítima entre os dois países e demarcar uma zona económica exclusiva para os direitos de prospeção de petróleo e gás.

Após a primeira reunião do designado Conselho de Cooperação Estratégico de Alto Nível, hoje em Ankara, Turquia e Líbia assinaram também hoje uma série de acordos, nomeadamente para reforçar a cooperação económica. 

"Queremos reforçar a nossa solidariedade e a nossa cooperação (...) Vamos apoiar o governo de unidade nacional da mesma forma que apoiamos o anterior governo legítimo (de Trípoli)", sublinhou o presidente turco.   

O Governo interino líbio, que tomou posse em março, tem por objetivo reunificar um país em guerra civil há quase uma década, e ainda promover a organização de eleições gerais marcadas para 24 de dezembro.

A Turquia tem estado particularmente envolvida na Líbia através do apoio ao Governo de Acordo Nacional (GAN), sediado na capital Tripoli e que controlava o oeste, contra o Exército Nacional Líbio (LNA), baseado em Benghazi e que dominava o leste.

A Turquia enviou material militar e combatentes para a Líbia, contribuindo para reverter a balança do conflito em favor do Governo de Tripoli.

Os 'media' turcos indicaram que os dois países pretendem reforçar a cooperação nos setores de energia e saúde, e também vão abordar o regresso de empresas turcas para concluir diversos projetos no país do Norte de África rico em petróleo.

A Líbia mergulhou no caos na sequência de uma rebelião interna apoiada pela NATO que derrubou em 2011 o regime de Muammar Kadhafi, executado por milícias rebeldes.

Nos últimos anos o país fraturou-se entre dois poderes rivais estabelecidos no oeste e no leste, apoiados por diferentes grupos armados e governos estrangeiros.

Leia Também: Líbia: Dbeibah encontra-se com Erdogan em Ancara para reforçar cooperação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório