Meteorologia

  • 22 ABRIL 2021
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 20º

Edição

Justiça marroquina recusa liberdade condicional ao jornalista Omar Radi

A justiça marroquina voltou a recusar o pedido de liberdade condicional ao jornalista Omar Radi, em prisão preventiva desde há oito meses por acusações de "espionagem" e "violação", indicou hoje o seu advogado. ´

Justiça marroquina recusa liberdade condicional ao jornalista Omar Radi
Notícias ao Minuto

16:13 - 08/04/21 por Lusa

Mundo Marrocos

Este ativista de 34 anos, que se destacou na defesa dos direitos humanos, é acusado em simultâneo de ter recebido "financiamentos estrangeiros", "atentado à segurança interna do Estado" e de "violação", em dois processos julgados em conjunto.

Após diversas recusas, os seus advogados apresentaram terça-feira na abertura do seu processo um novo pedido de liberdade condicional perante a secção criminal do tribunal de apelo de Casablanca, antes do adiamento da audiência para 27 de abril.

"Esperávamos verdadeiramente que a liberdade provisória fosse concedida a Omar Radi atendendo ao seu estado de saúde. A prisão preventiva constitui uma medida excecional e ele dispõe de todas as garantias para assistir ao seu processo", declarou à agência noticiosa AFP o advogado Miloud Kandil.

O jornalista pediu ainda para ter acesso ao seu processo, uma autorização que ainda não foi concedida", disse.

O pai do ativista alertou esta semana para o seu estado de saúde, ao referir que estava a efetuar exames médicos.

O inquérito por violação foi iniciado em julho de 2020 após a queixa de uma das suas colegas. Omar Radi refere-se a relações "livremente consentidas", mas a queixosa nega esta alegação e defende o seu "direito à dignidade".

O inquérito por espionagem relaciona-se, segundo o jornalista, com informações transmitidas no âmbito da sua profissão. Foi iniciado em junho de 2020 após um relatório da Amnistia Internacional (AI) afirmando que o seu telefone estava a ser alvo de escutas pelas autoridades marroquinas através de um programa de pirataria informática.

Rabat sempre desmentiu, e denunciou uma "campanha internacional de difamação".

Diversas organizações de direitos humanos, incluindo a AI e a Human Rights Watch (HRW), apelaram na segunda-feira à libertação condicional do jornalista junto das autoridades e pugnaram por um "processo justo para todas as partes".

Os seus apoiantes têm alertado com regularidade que "nos últimos anos diversos jornalistas independentes, militantes e políticos foram detidos, julgados ou condenados por acusações duvidosas de agressões sexuais" em Marrocos.

Omar Radi já foi condenado no início de 2020 a quatro meses de prisão com pena suspensa por "ofensa a magistrado", após uma mensagem na rede social Twitter na qual criticava um juiz.

Leia Também: Marrocos intercede em favor de Guaidó em países árabes e africanos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório