Meteorologia

  • 23 ABRIL 2021
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 20º

Edição

Reino Unido denuncia "intimidação" da junta na embaixada birmanesa

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico denunciou hoje "a intimidação" efetuada pela junta militar de Myanmar (antiga Birmânia), um dia após esta ter assumido o controlo da embaixada birmanesa em Londres.

Reino Unido denuncia "intimidação" da junta na embaixada birmanesa
Notícias ao Minuto

07:42 - 08/04/21 por Lusa

Mundo Myanmar

"Condenamos as ações intimidatórias do regime militar de Myanmar em Londres", escreveu Dominic Raab numa mensagem publicada na rede social Twitter.

O governante elogiou o embaixador birmanês, Kyaw Zawar Minn, pela sua "coragem" e reiterou o apelo britânico para o fim da "terrível violência" em Myanmar, bem como para uma "rápida restauração da democracia" após o golpe militar de 01 de fevereiro.

O embaixador do Myanmar em Londres acusou na quinta-feira uma figura militar, próxima da junta militar, de ocupar a embaixada e de negar o acesso ao edifício.

A junta militar ordenou o regresso do embaixador em Londres no mês passado, após este ter emitido uma declaração de apoio ao Governo civil deposto, liderado por Aung San Suu Kyi.

O Reino Unido já sancionou vários oficiais da junta militar, incluindo o comandante do exército, Min Aung Hlaing, presidente do Conselho Administrativo de Estado e autoridade máxima em Myanmar, pelo papel no golpe militar.

A junta militar tem reprimido de forma violenta as manifestações diárias que pedem o regresso da democracia e a libertação de antigos líderes.

Cerca de 600 civis, incluindo perto de 50 crianças e adolescentes, foram mortos desde o golpe de Estado, indicou a Associação de Assistência aos Presos Políticos (AAPP).

O número pode ser mais elevado, ressalvou a AAPP, estimando que cerca de 2.700 pessoas foram detidas, muitas sem acesso a advogados, não existindo contacto com as famílias.

Tanto os observadores internacionais como a comissão eleitoral deposta pela junta militar após a tomada do poder negaram a existência de irregularidades, apesar da insistência de alguns comandantes do Exército, cujo partido detém 25% dos lugares no parlamento birmanês.

Leia Também: Myanmar: Embaixador acusa figura militar de ocupar embaixada em Londres

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório