Meteorologia

  • 05 JULHO 2022
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 32º

Ataques em Moçambique: Portugueses no distrito de Palma estão a salvo

Os portugueses que estão no distrito de Palma envolvidos nos projetos de gás do norte de Moçambique estão a salvo e em segurança, após o ataque armado contra a vila, disse hoje à agência Lusa fonte que acompanha a situação.

Ataques em Moçambique: Portugueses no distrito de Palma estão a salvo

Pelo menos dois portugueses estavam em Palma quando grupos armados invadiram a sede de distrito na quarta-feira e refugiaram-se num hotel, juntamente com cerca de 200 pessoas de várias nacionalidades, referiu.

A vila acolhe várias empresas e pessoal devido aos investimentos ali em curso, entre os quais o projeto de gás liderado pela Total o maior investimento privado atualmente em curso em África, da ordem dos 20 mil milhões de euros.

Entretanto, através de transportes por via aérea e por mar, as pessoas têm sido resgatadas para o recinto do projeto de gás, na península de Afungi, sete quilómetros a sul de Palma e onde trabalham, pelo menos, cerca de 30 outros portugueses envolvidos em diversos serviços do projeto.

No recinto de Afungi a situação tem sido sempre segura e a zona não foi atingida pela investida de rebeldes, disse a mesma fonte, salientando que o complexo tem beneficiado inclusivamente de reforço de segurança de forças moçambicanas desde há várias semanas - conforme anunciado pelo Governo e pela petrolífera Total que lidera o projeto.

Apesar das tentativas, a Lusa ainda não conseguiu obter informações por parte da Total.

O recinto de vários hectares é uma espécie de pequena cidade com estaleiros, alojamentos e escritórios em módulos, com capacidade para albergar centenas de pessoas, com o seu próprio aeródromo e cais marítimo.

Algumas áreas, já visitadas pela Lusa em 2020, incluem torres de segurança entre vedações de arame farpado.

Ao lado está situada a nova vila de reassentamento de Quitunda, para onde foram transferidos residentes nas aldeias que estavam dentro da área do projeto.

Esta aldeia, bem como a península de Afungi, estão desde quarta-feira a atrair milhares de residentes de Palma que buscam refúgio seguro dos ataques.

Diferentes fontes disseram à Lusa que hoje de manhã continuavam a ouvir-se disparos na rua central da localidade, via onde estão situados os bancos e os principais estabelecimentos comerciais.

Ao mesmo tempo, as mesmas fontes referiram que diferentes ramos das Forças de Defesa e Segurança (FDS) estão a conduzir reforços para a região.

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Ministério da Defesa remeteu para mais tarde eventuais atualizações sobre a situação.

Os serviços de comunicações móveis continuam cortados em Palma e ainda não há informação sobre vítimas ou danos causados pelo ataque, o mais grave junto aos projetos de gás após três anos e meio de insurgência armada.

A violência está a provocar uma crise humanitária com quase 700 mil deslocados e mais de duas mil mortes.

Algumas das incursões foram reivindicadas pelo EI entre junho de 2019 e novembro de 2020, mas a origem dos ataques continua sob debate.

Leia Também: MNE condena "veementemente" violência armada na cidade de Palma

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório