Meteorologia

  • 10 ABRIL 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 18º

Edição

Europeus têm 100 dias para assegurar estatuto de residente no Reino Unido

Os europeus que vivem no Reino Unido têm 100 dias para assegurarem o estatuto de residente pós-Brexit, pois a partir de 01 de julho vão precisar de provar os seus direitos ou podem ser forçados a sair do país. 

Europeus têm 100 dias para assegurar estatuto de residente no Reino Unido
Notícias ao Minuto

12:56 - 23/03/21 por Lusa

Mundo Brexit

A 30 de junho acaba o prazo para o sistema de registo de cidadãos da UE [EU Settlement Scheme] aberto no âmbito da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), através do qual os europeus podem manter os direitos de viver, trabalhar ou estudar no território britânico. 

"A partir de 01 de julho de 2021, não só os cidadãos da UE, mas também os empregadores, agências governamentais, prestadores de cuidados de saúde e outros vão enfrentar um cenário novo e complexo", avisa a organização the3million, num comunicado.

O futuro sistema apresenta "uma miríade de armadilhas", avisa, desde uma forma complexa de calcular ausências do país que podem levar ao fim do estatuto, um comprovativo exclusivamente digital e risco de discriminação para encontrar trabalho, habitação e acesso a outros serviços.

"Precisamos de parar uma corrida contrarrelógio escusada, pois o prazo está a aproximar-se rapidamente. Queremos que as pessoas obtenham os direitos a que têm direito e sejam capazes de os fazer cumprir", defendeu uma das fundadoras da the3million, Maike Bohn.

A organização urgiu o Governo a prolongar o prazo e a garantir os mesmos direitos dos cidadãos que só tem um título de residência provisório, o qual precisa de ser convertido em residência permanente. 

O ministério do Interior britânico recusou até agora estender o prazo, mas mostrou-se disponível para aceitar candidaturas atrasas se forem apresentados "motivos razoáveis". 

"Embora o número de candidaturas seja fenomenal, o Governo está empenhado em garantir que todas as pessoas elegíveis possam inscrever-se, incluindo aqueles que são vulneráveis ou precisam de apoio adicional", afirmou hoje o secretário de Estado da Imigração, Kevin Foster.

O Governo recebeu até agora mais de 5,1 milhões de candidaturas, embora este valor não corresponda diretamente ao número de pessoas, pois o sistema duplica casos atribuídos com o estatuto provisório ('pre-settled status') e que pediram o estatuto permanente ('settled status'), obtido após cinco anos de residência contínua no país. 

Aqueles que tenham recebido título provisório precisam de voltar a submeter candidatura quando completarem os cinco anos de residência no Reino Unido, pois a transição não é automática. 

Até ao final de dezembro, foram aprovadas 331.200 candidaturas de portugueses, das quais 190.520 (58%) receberam o estatuto de residência permanente e 130.720 (39%) de residência provisória, mas 9.960 foram rejeitadas ou invalidadas.  

O processo de candidatura é essencialmente digital, podendo o reconhecimento do passaporte ser feito através de uma aplicação de telemóvel, enquanto os restantes dados são inseridos por computador. 

Porém, para casos mais complicados o processo pode envolver documentação adicional que tem de ser enviada por correio para um Centro de Resolução com 250 funcionários dedicados.

O Governo britânico disponibilizou cerca de 22 milhões de libras (26 milhões de euros) para financiar cerca de 72 organizações na assistência a pessoas que precisem de ajuda na realização do processo e promoveu uma campanha publicitária para promover o sistema. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório