Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 23º

Pequim comunica a Pyongyang que quer trabalhar para a paz na Coreia

O Presidente chinês, Xi Jinping, comunicou hoje ao líder norte-coreano, Kim Jong-Un, que a China está disposta a trabalhar com a Coreia do Norte e "outras partes implicadas" para resolver o problema da Península da Coreia.

Pequim comunica a Pyongyang que quer trabalhar para a paz na Coreia

De acordo com a Agência Nova China, Xi Jinping e Kim Jong-Un "trocaram mensagens verbais" na embaixada de Pyongyang em Pequim dois dias depois das conversações no Alasca entre as delegações dos Estados Unidos e da República Popular da China. 

"A China está disposta a fazer novas contribuições para a paz, estabilidade e desenvolvimento e prosperidade regionais", disse Xi Jinping. 

Por outro lado, segundo o jornal Global Times, Kim Jung-Un assegurou que deseja fortalecer "os laços entre a China e a Coreia do Norte, numa postura inquebrável do país e do povo".

Nos contactos diplomáticos que decorreram no Alasca, reunião que começou de forma fria mas que terminou com a criação de um grupo de trabalho sobre alterações climáticas, os assuntos sobre a Coreia do Norte foram abordados pelas duas partes, informou no sábado a televisão chinesa CCTV.

O Presidente da Coreia do Sul, Mon Jae-in, disse em janeiro que o Governo de Seul continua disposto a reunir-se com representantes norte-coreanos "onde e quando seja" para reativar os laços e o processo de desarmamento de Pyongyang, num momento em que o diálogo está praticamente congelado. 

O líder norte-coreano não fechou a porta ao restabelecimento do diálogo com Seul, mas instou a Coreia do Sul a abandonar as manobras militares conjuntas com os Estados Unidos como condição para voltar a retomar os contactos. 

Desde o fracasso da Cimeira de Hanói sobre o programa nuclear, em 2019, entre Kim Jong-Un e o ex-presidente norte-americano Donald Trump, Pyongyang endureceu posições face a Seul.

A pandemia de covid-19 levou a Coreia do Norte a encerrar as fronteiras para evitar a propagação da doença no país o que contribuiu para encerrar ainda mais o regime tendo mesmo recusado ajuda sanitária oferecida pela Coreia do Sul.

Seul e Pyongyang continuam tecnicamente em estado de guerra.

O conflito que se travou entre 1950 e 1953 acabou com um cessar-fogo em vez de um tratado de paz.

Leia Também: Coreia do Norte acusa Malásia de conspirar com os EUA

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório