Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2021
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 24º

Edição

Brasil vive o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), maior centro de investigação da América Latina, considerou que o Brasil vive "o maior colapso sanitário e hospitalar de sua história" e pediu ao governo que endureça "com urgência" as medidas contra a pandemia.

Brasil vive o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história

Perante o atual cenário da pandemia, a Fiocruz divulgou uma edição especial do boletim extraordinário do Observatório Covid-19 frisando que "a análise chama atenção para os indicadores que apontam uma situação extremamente crítica em todo país".

"Na visão dos pesquisadores que a realizam, trata-se do maior colapso sanitário e hospitalar da história do Brasil", frisou a organização.

De acordo com o levantamento, divulgado na noite de terça-feira, o sistema público de saúde brasileiro de 25 dos 27 estados do país registou taxas de ocupação das camas de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), voltadas para o tratamento de pacientes graves, iguais ou superiores a 80%, e em 15 regiões já superaram 90% de sua capacidade, situação "absolutamente crítica".

Na terça-feira, o gigante sul-americano registou novo recorde diário de mortes (2.841), com o qual o número de mortes já ultrapassa 282 mil, enquanto os casos confirmados da doença ultrapassam 11,6 milhões.

"A fim de evitar que o número de casos e mortes se alastrem ainda mais pelo país, assim como diminuir as taxas de ocupação de leitos [camas], os pesquisadores defendem a adoção rigorosa de ações de prevenção e controlo, como o maior rigor nas medidas de restrição às atividades não essenciais", disse o boletim da Fiocruz.

"Eles [investigadores] enfatizam também a necessidade de ampliação das medidas de distanciamento físico e social, o uso de máscaras em larga escala e a aceleração da vacinação", acrescentou.

Segundo o Observatório, em 19 capitais, que são as de maior concentração de habitantes, as vagas para tratamento hospitalar de pacientes graves já ultrapassaram 90%.

A pandemia de covid-19 já matou 282.127 pessoas e infetou mais de 11,6 milhões no país, segundo dados do Ministério da Saúde brasileiro.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.671.720 mortos no mundo, resultantes de mais de 120,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Leia Também: AO MINUTO: Mais de 1,2 milhões de vacinas já dadas; Rt com ligeira subida

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório