Meteorologia

  • 30 JULHO 2021
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Venezuela proíbe administração da vacina AstraZeneca

O Governo venezuelano anunciou hoje que a Venezuela não autorizará o uso local da vacina AstraZeneca contra a covid-19, devido aos efeitos secundários que tem originado nos pacientes.

Venezuela proíbe administração da vacina AstraZeneca
Notícias ao Minuto

05:59 - 16/03/21 por Lusa

Mundo Covid-19

"A Venezuela não autorizará que a vacina AstraZeneca seja usada no nosso país devido aos efeitos que tem nos pacientes", anunciou a vice-presidente da Venezuela.

O anúncio foifteito através da televisão estatal venezuelana, depois de uma reunião com o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Venezuela, Paolo Balladelli.

A decisão da Venezuela de proibir o uso local da vacina AstraZeneca tem lugar depois de Alemanha, França, Itália, Espanha e Portugal suspenderem a administração desta vacina, devido à deteção de vários casos de tromboses em pacientes.

Segundo Delcy Rodríguez, a Venezuela está em conversações com Cuba para obter e avaliar a produção de vacinas contra a covid-19.

Na Venezuela estão oficialmente confirmados 146.488 casos da covid-19, desde o início da pandemia, em março de 2020. Há ainda 1.444 mortes associadas ao novo coronavírus e 137.948 pessoas recuperaram da doença.

O país está em estado de alerta desde 12 de fevereiro de 2020 e na semana passada foram detetados 10 casos de pacientes infetados com a variante brasileira.

No domingo, o Presidente Nicolás Maduro, ordenou um "cerco sanitário" na cidade de Caracas e os Estados de Miranda, La Guaira e Bolívar, devido ao aumento do número de casos confirmados de pessoas infetadas com a variante brasileira do novo coronavírus.

Todas as atividades públicas estão suspendidas.

Em 6 de março último o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a sua mulher, Cília Flores, receberam a primeira dose da vacina russa Sputnik V contra o novo coronavírus, no âmbito do programa venezuelano de imunização da população.

A Venezuela recebeu, em 2 de março, meio milhão de doses de vacinas da farmacêutica estatal chinesa Sinopharm contra a covid-19.

Em 13 de fevereiro, recebeu as primeiras 100 mil doses da vacina russa Sputnik-V, que, segundo o Presidente Nicolás Maduro, foram destinadas à população mais vulnerável.

Segundo a imprensa local, a vacinação começou cinco dias depois e, segundo a imprensa local, os idosos foram excluídos.

Segundo a Academia Nacional de Medicina da Venezuela o país necessita de 30 milhões de vacinas para imunizar 15 milhões de pessoas, 3,5 milhões de maneira prioritária.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.654.089 mortos no mundo, resultantes de mais de 119,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: Suspensão da AstraZeneca não afeta campanha global de vacinação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório