Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2021
Tempo
MIN 8º MÁX 16º

Edição

"Desastre eleitoral" da CDU na Alemanha sugere governo sem conservadores

Os resultados eleitorais "desastrosos" da União Democrata-Cristã (CDU) nas eleições regionais alemãs de domingo da Renânia-Palatinado e Bade-Vurtemberga, podem antecipar um governo sem conservadores, pela primeira vez em 16 anos.

"Desastre eleitoral" da CDU na Alemanha sugere governo sem conservadores
Notícias ao Minuto

19:30 - 15/03/21 por Lusa

Mundo CDU

"Foi uma séria e profunda derrota para a CDU", sentencia o politólogo Ulrich von Alemann, apontando o "desastre" para o partido conservador, que assumiu a perda de votos nos dois estados federados alemães que foram a votos no domingo.

Para o professor emérito da Universidade Técnica de Dresden, Werner Patzelt, pela primeira vez em muitos anos a CDU "tem de encarar a possibilidade de o próximo chanceler não ser do partido conservador".

Com a vitória de Malu Dreyer na Renânia-Palatinado, com o Partido Social Democrata da Alemanha a conseguir 35,7% dos votos, o SPD "ganha esperança para ser bem-sucedido novamente ao nível federal", considerou o politólogo Stefan Marschall.

Já com Winfried Kretschmann a ser reeleito com 32,6% dos votos em Bade-Vurtemberga, podem "mais uma vez, testar e mostrar as opções de coligação para as eleições de setembro", admitiu à agência lusa o professor de Ciências Políticas da Universidade de Dusseldorf.

A CDU perdeu votos nos dois estados, menos 2,9% em Bade-Vurtemberga para 24,1%, e menos 4,1% na Renânia-Palatinado para 27,7%.

"As previsões de resultados para as eleições gerais de setembro são agora mais amplas que antes. A CDU/CSU continua a liderar as sondagens, mas está a perder peso", constatou Ulrich von Alemann em declarações à agência Lusa.

"O líder da CDU, Armin Laschet, não consegue convencer. O caso que envolveu dois deputados parlamentares do partido na compra de máscaras de proteção prejudica a credibilidade. A gestão da crise provocada pelo coronavírus é deplorável", apontou o professor universitário e analista político.

Ainda assim, acrescentou, as hipóteses da CDU/CSU de chegar à chancelaria "superam a alternativa", principalmente porque o SPD ainda "atravessa conflitos", os liberais do FDP "têm problemas estruturais" e os Verdes "provavelmente não serão os mais fortes para liderar uma coligação".

Uma coligação "semáforo", com o Partido Social Democrata (SPD, vermelho), o Partido Liberal Democrata (FDP, amarelo), e os Verdes, tal como existe na Renânia-Palatinado, parece uma possibilidade cada vez maior para as eleições de setembro.

"Esta será a hipótese que os três partidos vão anunciar como a mais válida durante a campanha eleitoral, uma verdadeira alternativa que retire a CDU do governo", defendeu o politólogo Werner Patzelt à agência Lusa.

De acordo com a última sondagem publicada hoje pelo Instituto INSA, a CDU recolhe um apoio de 29,5% ao nível federal, os Verdes e o SPD 17%, o partido de extrema-direita AfD 11,5% e o FDP 10,5%.

Nas eleições de 2017, a CDU conseguia 32,9%, o SPD 20,5%, os Verdes 8,9%, a AfD 12,6% e o FDP 10,7%.

As eleições para escolher um novo chanceler, depois de Angela Merkel ter ocupado o lugar durante 16 anos, estão marcadas para o dia 26 de setembro.

 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório